24 de maio de 2019

A Native comemorou seus 10 anos com uma festa incrível

Nesse último sábado (16), aconteceu a edição especial de 10 anos da festa Native. E, como era de se esperar o evento contou com uma produção de altíssima qualidade, dois palcos e os melhores DJs tanto no Psytrance quanto no Techno/Deep. Nós da equipe da Wonderland In Rave, marcamos presença e vamos contar um pouquinho do que foi a comemoração de 10 anos da Native.

Localização

Créditos: Suchir Photos
Créditos: Suchir Photos

De fácil acesso, num local com bastante verde ao redor, a localização foi um dos pontos altos do evento, com espaço para acomodar todos e ainda restar espaço para se dançar livremente em ambas as pistas.

Decoração e Estrutura

_MG_2170

A decoração também estava no ponto, com uma tenda com qualidade de grandes festivais e um vídeo mapping bastante interessante com duas caveiras ao lado do palco, que também merece destaque, com sua decoração bem criativa.

Público

Créditos: Suchir Photos
Créditos: Suchir Photos

Muito bem selecionado, assim como a grande parte dos eventos na região, salvo algumas exceções, mantiveram a energia positiva durante o evento todo, do começo ao fim, explodindo em apresentações como Undercover, Ace Ventura e Zentura. Engana-se quem acha que no palco alternativo o público estava menos empolgado, pois por lá o público também manteve-se dançando do inicio ao fim.

Line Up

O line up foi um dos grandes atrativos dessa edição da Native, contando com duas pistas e diversas atrações passando por vertentes do High e Low BPM. Todos os gostos foram atendidos nessa edição.

MAIN STAGE

Créditos: Suchir Photos
Créditos: Suchir Photos

Um line up extremamente recheado para diversos gostos que não deixou a desejar, mesmo contando com alguns imprevistos nos horários e atrasos. Vamos aos grandes destaques do evento:

Labirinto/28

As duas apresentações de Pedrão com seus projetos foram surreais, mandando o melhor do Full On Groove, quebrando tudo com drops extremamente pesados, build ups que confundiam a pista e uma energia contagiante em cima do palco, fica difícil escolher em qual dos projetos o brasuca mandou melhor, portanto, vamos citar ambos.

Undercover

Créditos: Danylo Martins
Créditos: Danylo Martins

Um dos projetos que mais vem ganhando destaque na cena do psytrance atualmente, é Undercover, conquistando milhares de fãs pelo Brasil. Sua apresentação foi pela manhã, com algumas horas de atraso. Porém o atraso compensou, quando o israelense assumiu as pick ups. A pista reagiu com muita energia em cada drop e explodiu com as clássicas Chapati e BaliKali. Uma apresentação muito boa, porém nada impressionante.

Remember Trance

Uma apresentação especial, só com os clássicos do trance, precisa dizer algo mais? Muitos ali na pista devem ter chorado ouvindo clássicos como Floribella, Pistolero, Enjoy The Silence, Clear Test Signal, Cities Of The Future, I Wish entre tantos outros clássicos que marcaram a história do trance. Ah, se todos eventos pudéssemos ouvir essas perolas musicais!

Special M

Créditos: Danylo Martins
Créditos: Danylo Martins

Pra mim a grande surpresa da festa. Eu ainda não tinha pesquisado sobre o projeto e então acabei tendo uma das melhores surpresas do evento, o projeto que é uma parceria entre a mexicana DJ Moon e o brasileiro DJ Mack, mandou um dos sons mais criativos e únicos do evento. Mesclando diversos elementos dentro do progressive trance, com muitas melodias lindas e emocionantes, inclusive um excelente remix para o clássico Dream On do Growling Machines. Uma apresentação memorável.

DJ Moon

Depois da sua apresentação como Special M, a cativante DJ Moon ainda subiu no palco mais uma vez para conquistar o público com todo seu carisma. Como de costume, com seus trejeitos e caretas clássicas durante sua apresentação, ela mandou um set extremamente explosivo, com altas novidades da gravadora X7M, inclusive o remix do Seven Monkeys para outra clássica do Growling Machines, Rounders. Moon que já tinha impressionado com seu novo projeto, mais uma vez surpreendeu com seu projeto solo.

Ace Ventura

O mestre do progressive trance, um ícone da vertente, um gênio. Fica difícil descrever Yoni Oshrat e mais difícil ainda descrever a apresentação dele. Talvez ”surreal”. Com sua linha séria, mas com toques de criatividade e inovação, com altas novidades e sonoridades totalmente diferentes, sem perder a tonalidade de seus leads psicodélicos e extremamente dançantes, Yoni guiou a pista com uma apresentação inesquecível na Native. Mandando remixes de clássicas como Stomping Ground, Presence, The Calling entre tantas outras.

Zentura

Um projeto entre dois mitos da cena, que tem anos de carreira e história dentro do trance, qual a chance de não ser uma apresentação épica? Os dois embarcaram em uma viagem psicodélica com batidas fortes beirando os 140 BPM, com a pista reagindo do começo ao fim, Zen Mechanics e Ace Ventura entregaram mais do que o necessário para conquistar a pista. E o que dizer das últimas músicas que levantaram poeira do front? Destaque total para o encerramento com Sonic Masala!

Ruback

Esses gêmeos já estão virando figurinha carimbada em nossas coberturas, e sempre surpreendendo. Já depois de anoitecer e a pista depois de quase 24hrs de festa, os dois assumiram a pista e levantaram-na com muita energia. Mandando clássicas como Jack Sparrow, The Hobbit e clássicas de outros projetos como Anti Social Media de Coming Soon e Tomorrow de Capital Monkey e Klopfgeister, Ruback fizeram uma apresentação excelente. Ah, sem mencionar que eles encerraram o set com o hino do trance, Free Tibet (Vini Vici Remix).

CLUB ALTERNATIVE STAGE

Créditos: Suchir Photos
Créditos: Suchir Photos

Fiquei pouco no club stage, mas o pouco tempo que fiquei, teve alguns destaques que me surpreenderam:

Stupidizko

O projeto de Gabriel Rocca e Rodolpho Spuri foi um dos primeiros que ouvi ali na tenda do Club, com um som bem puxado pro Tech House, com toques de Jackin e Bass, a apresentação dos dois foi bastante dançante e movimentou bastante a pista

Dubdogz

Os irmãos Schmidt, mais conhecidos com seu projeto Ruback, também adentraram ao Low BPM com o projeto Dubdogz, que tem como foco o Nu Disco, com uma apresentação fantástica, tocando o clássico bootleg para Pumped Up Kicks, além de clássicos como Bolum Back e Dont Look Back. Os irmãos se consolidaram tanto no Trance, quanto no Nu Disco/Deep.

Luthier

Romulo e Thiago já tem anos de história, e sempre continuaram surpreendendo dentro do Tech/Deep. Com mais uma apresentação cheia de swing e bastante dançante, o duo mostrou que suas produções novas vão sacudir bastante as pistas.

Conclusões Finais

Um evento de primeira linha, é sempre bom poder contar com eventos que ainda tentam manter o foco no público e buscam fazer um evento que satisfaça-os em primeiro lugar. Com apenas alguns pontos a melhorar, como banheiros femininos que tiveram algumas reclamações, um pouco mais de educação de quem estava na pista para jogar o lixo no lixo e alguns outros pequenos detalhes, mas podemos dizer que no geral a festa foi excelente, com um crew de organização extremamente empenhado e disposto a entregar o melhor possível para o público! Esperamos que a próxima Native chegue em breve e que seja ainda mais impressionante!

Créditos: Danylo Martins
Créditos: Danylo Martins

E essa foi a nossa cobertura nos 10 anos da Native, uma festa fantástica, que nós proporcionou ótimos momentos! Esperamos voltar em breve!

Sobre Redação WiR