21 de outubro de 2019

Armin van Buuren fala sobre a suas lutas da saúde mental

Mais e mais os DJs estão se apresentando para compartilhar o lado íntimo e sombrio da indústria da música. Desta vez, é a lenda do Trance, Armin van Buuren, que trouxe o assunto à mesa novamente no talk show holandês Jinek.

Isso aconteceu enquanto o DJ estava em uma turnê promocional para o lançamento de seu novo álbum ‘Balance’, previsto para lançar no dia 25 de outubro. Surpreendentemente, ele se abriu sobre seus problemas.

“Estou muito agradecido pela vida que levo… Mas há um lado sombrio que estamos começando a ver mais.”

A luta por DJs superstar pode ter sido escondida por tempo suficiente. Hoje, não é mais o caso, especialmente depois que grandes nomes como Avicii e Hardwell ajudaram a destacar o problema. Acontece que toca todos na cena.

“Secretamente, todo mundo não está indo tão bem”

O estilo de vida do DJ, as altas expectativas e as turnês intensas são hoje identificadas mais do que nunca como fontes de problemas de saúde mental, incluindo estresse, ansiedade e depressão.

“Todo mundo mostra uma cara corajosa e diz que está indo bem, mas então você ouve através da videira que eles estão realmente vendo um treinador ou psicólogo.”

Um dos problemas que Armin menciona é que ele é um prazer. Ele admite que apenas um único feedback negativo dentre muitos positivos pode arruiná-lo. Por isso, no início de sua carreira, ele foi vítima de querer agradar a todos os fãs.

“Sim, eu ainda quero agradar a todos os fãs. Todo fã é importante para mim. Não suporto quando um fã diz que não gostou de nada. Em algum lugar, também é bom, porque isso também faz com que você melhore e sempre há alguma verdade nisso”.

Quando perguntado sobre ele estar no topo das paradas e o DJ número 1 do mundo, ele disse:

“Sim, claro. No final, eu me tornei um dos 40 melhores DJs do Mundo. Eu era contra isso no começo, mais secretamente é legal ter esse lugar.”

“Mais sofri muito com isso. Em 2010, eu era o número #1 do mundo, mais eu era a pessoa mais infeliz do mundo.”

Armin fala sobre sua posição e como ser o número 1 causou-lhe muita luta. Ele admite que a pressão de ser o número um tirou o prazer. Como ele explica, as pessoas vinham ver o DJ número 1 e não mais o Armin.

“Você é tão bom quando o seu último show; Você é tão bom quando a sua última música, e eu comecei a produzir apenas para aqueles poucos fãs que eram críticos. Parecia uma camisa de força, mais como ‘isto é o que parece’, eu me livrei disso, e ainda sou muito leal aos meus fãs, e o novo álbum também tem um pouco do som do antigo Armim. Também gosto desse som e ainda o aceito, mais notei que tenho que tomar medidas criativas para continuar me desenvolvendo.”

O equilíbrio entre DJ e família é um dos mais difíceis para DJ. Para Armin, que também é pai de dois filhos, ele diz:

“ Esta é uma discussão diária. Pode parecer brilhante para o mundo exterior, mas estamos diariamente no topo dessa agenda e há a tentação, porque é preciso dizer Sim ou Não a um festival muito grande. Se você for, receber uma enorme sacola de dinheiro e um show para 40,000 pessoas, mas sim, seu filho deve ir ao futebol. Você tem que fazer esse tipo de consideração estranha. ”  

Para os grandes DJs como Armin, que chegaram ao topo, dinheiro e fama não poderiam parecer uma alta prioridade. Mas não é isso que vemos. Existe algum tipo de dependência de performance que faz o DJ sair em turnê, às vezes obsessivamente.

“Há um livro escrito sobre isso por Ian Robertson, ‘O Efeito Vencedor’. É exatamente sobre isso. O chute que você recebe ao pisar no palco, da atenção, da televisão… aquele chute que você recebe… Ele comparou as endorfinas que são liberadas no seu cérebro com uma droga. De fato, sob a influência dessa droga, seu cérebro muda, de acordo com a teoria dele, e ele provou tudo isso cientificamente. Esse livro se tornou importante para mim. Agora eu entendo como isso funciona, é por isso que Mike Jagger ainda está no palco após uma operação cardíaca.”

Desde que a trágica morte de Avicii deixou um buraco na indústria da música, o lado sombrio do estilo de vida da performance se tornou extremamente aparente. Viajar, festejar e falta de sono têm um efeito devastador na saúde mental e física das pessoas. Com mais artistas como o Armin van Buuren divulgando suas lutas, a conversa começa sobre como ajudar esses artistas antes que seja tarde demais. 

Sobre Clênio Martins

Clênio Martins
Mineiro, amante de música eletrônica na suas variadas vertentes.