Entrevista: SOFI TUKKER falam sobre o novo álbum, relação com Vintage e mais!

A dupla SOFI TUKKER, formada pelos nova iorquinos Sophie Hawley-Weld e Tucker Halpern segue demonstrando a capacidade de explorar sonoridades, idiomas e de atravessar fronteiras, elevando músicas com vocais em português para as pistas de dança ao redor do mundo.

A amizade da dupla foi construída ainda nos tempos de colégio, e em 2014, SOFI TUKKER se juntaram oficialmente, misturando perfeitamente os estilos e referências musicais de cada um. Cerca de oito anos após a formação, a dupla lança o segundo álbum próprio, denominado “WET TENNIS”, que abusa de sensualidade, dança e estilo. A coleção conta com uma pluralidade sonora transmitida ao longo das 12 faixas, além claro, dos vocais em português, marca registrada da dupla.

A Wonderland In Rave traz um bate-papo exclusivo com a dupla, que comentou detalhes sobre o desenvolvimento deste projeto, relação com o Vintage Culture e com o Brasil, afinal, em “WET TENNIS” a dupla voltou a utilizar vocais em língua portuguesa. Confira a seguir:

Dupla SOFI TUKKER posam juntos. Foto: Elizabeth Miranda

WiR: Além dos vocais em português em duas faixas no álbum, percebemos que “WET TENNIS” contém diferentes sonoridades. Como foi para vocês explorar tantos estilos de som diferentes neste projeto?

Sophie: “Sim, o português sempre foi uma grande parte do nosso projeto. Eu amo português! Eu já morei no Rio e estudei português na faculdade. É definitivamente a minha língua favorita para cantar. É o que nos inspira naturalmente e neste álbum nós pudemos colaborar com o poeta brasileiro Chacal, que é um colaborador há um bom tempo. Além disso, pudemos colaborar com Amadou e Mariam, que são alguns dos nossos artistas favoritos no mundo. Foi tão divertido brincar com a linguagem e também brincar com vários gêneros diferentes. Amadou e Mariam inventam melodias. Nós nunca criamos e arrogantemente começamos como uma faixa techno. Então adicionamos guitarra e quem sabe que gênero é? É como uma mistura de muitas coisas diferentes que nos inspiram”.

WiR: O álbum “WET TENNIS” foi construído especialmente durante a pandemia. Como a pandemia influenciou na construção do álbum e também na vida pessoal de vocês?

Tucker: “Foi muito influenciado. Quero dizer, fizemos a maior parte do álbum durante a pandemia e fomos mais influenciados por nossos DJ Sets. Quando descobrimos que todo o nosso ano de turnê foi cancelado, começamos a transmitir ao vivo todos os dias e fizemos centenas de dias seguidos para esta comunidade online. Como as pessoas de todo o mundo começaram a aparecer todos os dias para se juntar a nós nos sets, nós estávamos muito inspirados. Não apenas pela música que estávamos tocando, era algo que nos conectava também à atitude de tantas pessoas em tempos realmente difíceis de serem otimistas e fazer as pessoas dançarem em casa, mesmo quando não podiam dançar com outras pessoas. Esta foi provavelmente a nossa maior inspiração de todo o álbum e ‘WET TENNIS’ é uma sigla, então cada letra representa uma palavra e é quando todos tentam evoluir. Nada de negativo é seguro e isso foi verdadeiramente inspirado por todas as pessoas que escolheram positividade entre todas as coisas ruins que estavam acontecendo no mundo. E isso é realmente o que queríamos passar com este álbum”.

WiR: A loja oficial SOFI TUKKER trouxe alguns produtos do álbum “WET TENNIS”. Você poderia falar mais sobre a loja e essa forma de expressão que vai além da música?

Sophie:Acho que realmente tentamos criar um mundo inteiro em torno da música como se a música estivesse em primeiro lugar, mas há tantas cores que nos inspiram e moda que nos inspira que tudo faz parecer que é um mundo que a música vive. E isso sempre foi importante para nós preenchermos o mundo o máximo que pudermos”.

WiR: Dentre as faixas do álbum, as músicas “Mon Cheri” e “Kakee” foram produzidas com vocais em português. Vocês podem falar mais sobre a relação que vocês têm com o Brasil?

Sophie:Sim, antes mesmo de aprender português, eu sempre fui obcecada pela música e eu gostava muito de música brasileira. Então, eu gostava de cantar em português. Mas eu não tinha ideia do que eu estava cantando. Então eu pensei, ‘ok, eu provavelmente deveria aprender a língua para saber o que estou dizendo nessas músicas’. E então, quando aprendi a língua, me apaixonei ainda mais por ela. E então eu me mudei para o Brasil e me apaixonei ainda mais por pelo país. Eu sinto que tenho uma alma brasileira. Talvez eu tenha nascido no país errado (risos). Eu me dou muito bem com os brasileiros e sinto que a cultura e as coisas que as pessoas mais se importam no Brasil são as mesmas coisas que eu mais me importo. Sinto que as pessoas brasileiras são como eu realmente sou”.

WiR: Sophie, você disse que ama a música brasileira. Quais são suas músicas favoritas?

Sophie: Bom, provavelmente meu disco favorito de todos os tempos é “Voz e Violão”, do João Gilberto. Eu acho que este álbum é a coisa mais reconfortante de todos os tempos. É como se ele estivesse sussurrando no microfone. É tão íntimo, e é definitivamente um estilo de cantar e tocar violão que sempre me inspirou. E eu acho que ele faz isso da melhor forma, Gosto também de basicamente qualquer coisa da Vanessa da Mata, qualquer coisa. Eu realmente gosto muito dela”.

WiR: A música “Drinkee” foi remixada pelo produtor brasileiro Vintage Culture. Poderiam falar mais sobre o relacionamento entre vocês?

Tukker: “‘Drinkee’ foi a primeira música que lançamos remixada por ele. Significou muito para nós. Como vocês sabem, ele é um dos maiores DJs do Brasil. Isso nos fez sentir que o Brasil estava realmente aberto a nós. Você sabe, temos músicas cantadas em português brasileiro e nosso relacionamento com Lukas cresceu ao longo do tempo. Nós fizemos várias músicas juntos. Chegamos à linha de chegada com algumas das músicas que temos escrito”.

Sophie: “Nós nos encontramos no Brasil, nos Estados Unidos e nos falamos o tempo todo”.

Tukker: “Quando ele refez o remix de ‘Drinkee’ com John Summit, meio que o trouxe de volta à vanguarda da dance music. É tão legal e divertido ter essa conexão com ele. Ele está fazendo coisas incríveis e trabalhando muito duro”.

WiR: Recentemente, ‘The Freak Fam’, nome da base de fãs da dupla. se tornou o nome do programa de rádio produzido por vocês. De onde surgiu esta ideia?

Sophie:Bem, basicamente você sabe que estávamos transmitindo ao vivo em nossa casa durante centenas de dias seguidos e então começamos a viajar novamente e queríamos a oportunidade de continuar tendo esse relacionamento com a ‘Freak Fam’ mesmo enquanto estávamos viajando. Acho que colocamos uma pausa no programa de rádio e provavelmente vamos começar a tocar mais e ver formas de como podemos continuar a transmitir ao vivo mesmo enquanto estivermos viajando. Talvez não conseguiremos fazer isso todos os dias, mas ainda assim, podemos fazer transmissões ao vivo”.

O bate-papo entre a Wonderland In Rave e a dupla aconteceu coincidentemente no dia do aniversário da Sophie.

WiR: Sophie, gostaria de te desejar um feliz aniversário! E antes de terminarmos, saber se vocês gostariam de deixar uma mensagem para os fãs brasileiros?

Sophie respondeu em português: “Obrigado pelo apoio, por tudo. Eu espero que possamos viajar ao Brasil logo”.

WiR: Quando? Já tem uma data confirmada?

Sophie e Tucker: “Ainda não sabemos. Mas acreditamos que logo!”.

SOFI TUKKER continuam alcançando feitos importantes na indústria musical. Além do lançamento do álbum, a dupla lançou uma nova linha de produtos, “WET TENNIS”, que está disponível em sua webstore junto com um vinil e um número muito limitado de CDs autografados. Saiba mais sobre o álbum e a história de cada uma das faixas nesta matéria.

Share

Vitor Gianluca tem 26 anos e é formado em Comunicação Social - Jornalismo, pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), desde 2020. Curte um Techno Melódico e escreve para a WiR há mais de dois anos.