21 de novembro de 2017
Ultra Brasil

Review sincero do Ultra Brasil 2017 na visão do público O que realmente aconteceu de ponta a ponta no festival

O Ultra Music Festival retornou esse ano para a cidade do Rio de Janeiro, dessa vez em 3 dias, no mesmo local e época do ano em relação a 2016. Com um público total de mais de 90.000 (3 dias) o Ultra Rio 2017 foi assim:

Line-Up:

  • Foram 82 DJs escalados para a line-up final nesse ano.
  • O “EDM” reinou no Mainstage junto com o deep/bass house, fora os dierenciais de Marshmello, Armin Van Buuren e Above & Beyond.
  • O palco Radio no dia 1 foi preenchido pelo deep house e nos dias 2 e 3 pelo trance, assim como em 2016.
  • Em 2016: Foram 64 DJs, porém dois dias de festival.

Local:

  • Sambódromo Marquês de Sapucaí no Rio de Janeiro.
  • Mesmo local do ano passado, porém com extensão completa.

Palcos:

Mainstage

  • Mesmo tamanho do ano passado porém design diferente.
  • No início do festival dava impressão de “vazio”, porém como escurecia rápido, já que o festival começava as 17 hrs, durante a noite os leds tomavam conta e mostravam a grandiosidade do palco.
  • Mesma posição do ano passado.

Ultra Brasil (2017)

Radio

  • Localizado onde ano passado foi o Resistance.
  • A proximidade com o Mainstage facilitou ver mais DJs.

Resistance

  • O mais “elegante” de todos e único coberto.
  • Localizado bem na entrada e saída do festival.
  • Nova posição no sambódromo.
  • Os sons não conflitavam praticamente nunca nas pistas e estava de excelente qualidade.

Resistance Brasil

Público:

  • Muita gente fantasiada e com roupas customizadas para o festival. Também se via muitas bandeiras e infláveis.
  • Loja de mershandising do UMF fez sucesso, era quase impossivel virar pro lado e não ver alguém com uma camiseta ou boné.
  • Todo mundo muito animado independente do DJ e gênero musical tocando, lindo demais.
  • Os palcos ficavam bem cheios porém não lotados.
  • Parcela média fiel que chegava cedo, maioria chegava por volta das 19 hrs.
  • Muitos vizinhos presentes também, galera do Chile, México, Venezuela, etc.

Ultra Brasil (2017)

Alimentação:

  • Food Trucks (12) espalhados pelo festival. Tinha de tudo, muito bom.
  • Bares com preços caros (Água mais cara dos festivais eletrônicos nacionais) e no último dia no final alguns bares esgotaram estoque.
  • Cashless funcionou, porém alguns vendedores ambulantes credenciados que circulavam a pista não aceitavam o cartão Cashless. Assim como a loja oficial de Mershandising.
  • Bares todos com banners sinalizando as tendas.

Organização:

  • Dia 2 (sexta) o festival que deveria abrir os portões as 15 hrs abriu por volta das 17:30 hrs. Ainda, só metade do sambódromo estava aberta, pois a rua que cruza ele no meio ainda não tinha sido interditada pela prefeitura, assim liberando o acesso do público para o Mainstage e o Radio por volta das 19 hrs. Com todo esse atraso, o festival comunicou (muito bem, por sinal) que iria se estender até as 04 hrs e teve o DJ inicial da line-up do Mainstage, Mike Ursa, cancelado e os horários re-arranjados, com Malaa encerrando a noite. No entanto durante seu set a polícia interferiu e encerrou o show, com meia hora de pausa e depois o retorno do artísta para seguir seu set, que foi adiado em 6 hrs e 15 minutos. O horário atualizado demorou para ser postado nas redes sociais.
  • Nos dias 1 e 3 o acesso ao sambódromo e line-up seguiram normalmente. Inclusive a fila.
  • Equipe de apoio muito bem preparada e instruída, porém trabalhando em condições exaustivas.
  • Revista fraca e nenhuma orientação sobre documento comprovante de idade e meia-entrada.
  • Todos os caixas tinham banners em cima com os preços.

MTV/Record:

  • Todos estavam bem empolgados com o anúncio de parceria do UMF com as emissoras, esperando transmissões ao vivo na TV, mas não aconteceram.
  • A Record teve um “Relax Lounge” com bóias e grama sintética e a MTV uma cabine de fotos e seu logo inflável.

Lista VIP do Arar:

Talvez o assunto mais polêmico do festival. O vereador do Rio de Janeiro, Marcelo Arar, divulga em seu programa de rádio e Facebook eventos que acontecem pela cidade e durante os dois últimos dias do UMF, disponibilizou no site do seu programa uma lista VIP com horário limitado para acesso a pista do evento, onde bastava fazer seu cadastro no site e apresentar documento original com foto no acesso do UMF.

O que muitos viram como uma injustiça para quem comprou o ingresso para esses mesmos dias, também pode ser visto como uma incrível oportunidade para quem não consegue comprar o ingresso e permitiu assim, participar dessa união incrível proporcionada pela música.

Comentários

Sobre Eduardo Nadais

Eduardo Nadais
18 anos, DJ, produtor de Bass Music e apaixonado pelo o que faz. Estudei música eletrônica na E-DJs - Concept Institute for Music, e atualmente Publicidade e Propaganda na ESPM.