Ultra processa empresa de montagem de palcos por sonegar mais de 800 mil dólares

Estávamos todos ansiosos para que o Ultra esse ano acontecesse, e sabemos que para um evento de tal porte, exige um planejamento de meses para o evento ser realizado. Contratos e contratos, com diversas empresas por fora que também fazem o festival ser do jeito que é. Com tudo isso, semana passada o Ultra entrou com uma ação contra a AG Production Services, Inc. Quando Miami forçou o cancelamento do Ultra, o festival enviou à empresa responsável pela estrutura dos palcos uma carta exigindo o reembolso do depósito. O Ultra contou com uma cláusula de “força maior” no contrato.

AG Production Services é a empresa que constrói os palcos e monta a iluminação do UMF. O Ultra tinha um contrato para pagar à empresa de palco mais de 1,5 milhão de dólares para construir, administrar, supervisionar e remover a iluminação, o vídeo e os palcos do festival. Antes da realização do festival, o Ultra havia pago à empresa US $ 798.808,50 quando o acordo foi assinado. O restante seria pago no festival e após o festival.

Para a construção da estrutura do Resistance o custo sai bem caro. A estrutura em si custa 480 mil dólares com iluminação e vídeo custando outros 349 mil dólares. O palco principal é, na verdade, construído por outra empresa, então não temos o preço total. No entanto, a iluminação e as telas de vídeo do palco principal custam 441 mil dólares. E o palco da Worldwide custa menos de $300k no total. Ou seja, 800 mil doláres seria basicamente mais que a metade da estrutura do festival.

Bom, a exigência de reembolso do Ultra trata-se de uma ocorrência de “ação divina” que impossibilita a execução do contrato e permite o cancelamento sem penalidade. Esse tipo de cláusula entrou em jogo para milhares durante a pandemia, mas nem sempre funcionam. Na verdade, este contrato continha cláusulas de força maior e parece que a AG Events estaria violando. A AG Events disse ao Ultra que já havia gasto todo o dinheiro em folha de pagamento, equipamento de aluguel, transporte, custos de hotel e custos de viagem. Ultra contesta os custos de viagem, hotel e transporte porque o pessoal e o equipamento da AG nunca chegaram a Miami (a empresa é de Las Vegas, Nevada). A Event Entertainment (Ultra) processou a AG Production Services por quebra de contrato e enriquecimento sem causa. Morgan & Morgan é a empresa que representa o Ultra neste caso.

Ianne Souza

Fã de música eletrônica, sempre em busca de aprender mais. Choro em shows.