Eelke Kleijn fala sobre sua rotina de produção durante a pandemia e seu novo álbum a caminho

O fato de Eelke Kleijn tocar sem sapatos e produzir em pé diz muito sobre o que você precisa saber sobre ele. Ele nunca se sente mais em casa do que quando está atrás do deck, e não há separação entre a cabine, seu estúdio e a pista de dança. Esse ar natural que ele traz para todas as facetas de sua música é algo que se reflete em sua sensação orgânica e ajudou sua identidade criativa a brilhar em uma cena musical competitiva.

Três álbuns em uma carreira bem estabelecida, mas ainda em rápida ascensão, Eelke Kleijn é um verdadeiro artista. Muitos o consideram como um artista underground, mas que sem esforço deu o salto para um mundo mais amplo quando o momento e a oportunidade pareciam certos. Seus remixes para nomes como John Legend, Pendulum e James Newton Howard, são a prova de sua capacidade de atingir públicos mais amplos sem abrir mão de seus valores centrais.

Com experiência em piano, violão e baixo e uma bela atuação na composição para cinema e TV, suas produções são imbuídas de um profundo senso de musicalidade e emoção, sempre gerando um forte senso de espaço, lugar e ocasião. Seu trabalho, marcando sucessos de bilheteria de Hollywood como Rush, Parker e This Means War, foi recebido com grande aclamação.

Foto: Kirsten van Santen

Com recente lançamento e um novo álbum a caminho, conversamos com esse artista que tanto admiramos. Você pode conferir na íntegra a seguir:

WiR: Ei Eelke, em primeiro lugar, é um enorme prazer em falar com você pela primeira vez. Como está sua vida durante esse período estranho?

Estou bem! É estranho passar tanto tempo em casa de repente. Porém, ao mesmo tempo, tenho muito mais tempo para trabalhar na música agora. A família também fica feliz em me ver muito mais, principalmente nos finais de semana!

WiR: O que mais mudou nessa adaptação de ficar em casa? Mesmo viajando muito, você sempre teve ótimas produções e agora posso imaginar que você já tem vários masterpieces pela frente, né?

Sim, foi um primeiro semestre muito louco. Estou acostumado a viajar quase todo fim de semana e agora não coloco os pés em Schiphol (Aeroporto de Amsterdã) desde o início de março! Felizmente, eu já havia começado a trabalhar no meu próximo álbum de artista, mas a pandemia me deu mais tempo para isso do que eu poderia imaginar. Tenho muita música a caminho!

WiR: O que você está ouvindo durante esse tempo quando não está trabalhando? Você pode nos contar 5 músicas que você está escutando?

Não estou ouvindo muitas músicas de dance music no momento. Pode parecer estranho, mas depois de trabalhar em minha própria música por um dia inteiro, eu prefiro um pouco de silêncio à noite. As coisas que eu escuto geralmente são completamente diferentes. Alguns dos meus favoritos são:
– Hans Zimmer – Dark
– ODESZA – Across the Room (Tycho Remix)
– Apparat – Bad Kingdom (Lulu’s Version)
– Tame Impala – Lost In Yesterday
– Blaue Blume – Lovable (Trentemoller Remix)

WiR: Você lançou recentemente Woodstock que é uma música incrível. Você poderia nos contar um pouco mais sobre essa produção? Além disso, de onde veio a ideia da arte da capa desse single? É tão alucinante e me passa uma sensação muito confortante, como um abraço, quando eu observo ela!

Obrigado! É uma faixa que descreve meu longo relacionamento com o clube de praia Woodstock ‘69 na Holanda. É um dos meus lugares favoritos para tocar. Eles têm uma vibração única e uma multidão tão grande que eu senti que realmente precisava honrá-los de alguma forma. O groove descontraído é a vibe que você sente em Woodstock durante o dia e as melodias intensas são uma coisa noturna. Acho que a faixa de Woodstock é sobre tentar encontrar esse equilíbrio. A obra de arte foi feita por Jack Vanzet, a propósito, ele é um artista fantástico da Austrália e fez todas as capas deste álbum.

WiR: Além disso, temos alguns remixes de Woodstock, certo? Como você se sente ao ouvir todas as versões diferentes de todas essas pessoas talentosas?

Sim, temos remixes de Gerd Janson, Hernan Cattaneo & Sound Exile e de Mano Le Tough. É incrível ouvir todas essas diferentes interpretações. Cada artista se concentrava em outra coisa. E é ótimo ouvir o som característico de alguém lá, mas também continuar ounvindo minhas próprias ideias.

WiR: Você tem um novo álbum chegando em setembro! Eu sou uma grande fã e posso dizer Moments Of Clarity é muito especial para mim, então obrigado por fazer esta obra prima. Estou muito animada com o novo álbum! Então, o que podemos esperar dele?

O novo álbum se chama Oscillations. Comecei a trabalhar nisso mais ou menos logo depois de terminar o Moments Of Clarity. Aquele tinha um certo tom orgânico, acho que o Oscillations se apóia mais em sintetizadores e em todas as coisas malucas que você pode fazer com eles. Eu estava realmente inspirado por sons que saem um pouco fora do tom, por diferentes estruturas de acordes e às vezes por compassos estranhos. Estou sempre tentando ultrapassar meus próprios limites, tentando não repetir as mesmas coisas que já fiz. Mas não se preocupe, com certeza você ouvirá minha assinatura nele!

WiR: Ainda falando sobre Oscillations, de onde veio a ideia desse nome? E agora, dificultando as coisas, você pode nos contar sua faixa favorita do álbum e por quê?

O nome vem das oscilações ao nosso redor, das ondas sonoras que ouvimos até as vibrações em um nível quântico. Isso é algo que me intriga imensamente e foi a ‘trilha sonora’ para a qual escrevi este álbum, por assim dizer. É muito difícil para mim nomear uma faixa favorita, mas acho que se for preciso, seria Woodstock. Essa faixa se tornou exatamente o que eu queria que fosse, tudo funcionou da maneira que eu pretendia.

WiR: Se você pudesse definir Oscillations em três palavras, quais seriam e por quê?

Sintetizador, analógico e melodia. Esses são realmente os blocos de construção sobre os quais fundei este álbum.

WiR: Suas produções são sempre tão intensas, muitas vezes sinto vontade até de meditar. Eles são sempre muito poderosas. Então, quem você considera ter sido sua maior influência ao longo de sua carreira que impactou suas produções?

Acho que uma das maiores coisas ao longo da minha carreira foi realmente ouvir a música de outras pessoas. E quero dizer isso completamente de uma perspectiva técnica. Há muito a aprender apenas ouvindo outras pessoas e suas técnicas. Tentando descobrir como um som foi feito, como um certo efeito foi alcançado. Se eu ouvir algo de que gosto, a primeira pergunta geralmente é ‘como eles fizeram isso, o que posso aprender com isso?’. Eu acho que você nunca deveria parar de aprender, eu ainda estou aprendendo coisas novas todos os dias enquanto faço música.

WiR: Se você pudesse nos contar qual seria o seu TOP 5 de produções de todos os tempos, qual seria?

Lovely Sweet Divine, The Calling, Maschine 1.0, Ein Tag Am Strand e meu bootleg de The Hanging Tree. Todas essas faixas, eu ainda fico arrepiado ao ouvi-las, mesmo depois de todo esse tempo. E eu acho que com este próximo álbum a caminho agora, esses 5 estão tendo alguma competição.

WiR: Você poderia nos contar seus próximos passos para este ano? O que podemos esperar de você?

Acho que depende muito de como o mundo vai lidar com essa pandemia. Estou planejando continuar minha turnê e fazer meu show ao vivo em mais lugares ao redor do mundo, mas precisamos ver se isso é uma opção nos próximos meses ou anos. Uma coisa que estou voltando imediatamente é a produção musical, então se eu não tiver permissão para viajar em breve, quem sabe, talvez um quinto álbum chegue antes do que você espera!

WiR: Obrigado pela conversa. Para encerrar, deixe uma mensagem para seus fãs brasileiros. Esperamos te ver em breve, principalmente no Brasil!

Obrigado! Espero ver todos vocês no Brasil novamente em breve. Já faz muito tempo… Mal posso esperar para pegar a estrada novamente e tocar música para todos vocês!

 

 

Amanda Nakao

Viciada em criar pautas para DJs e ir a shows de música eletrônica.