18 de outubro de 2018

Em entrevista, Harrison nos conta sobre o conceito de sua gravadora e muito mais Harrison é conhecido por seus vocais em tracks com David Guetta, Steve Aoki e Hardwell

Nascido e criado no Reino Unido, Harrison ficou conhecido na indústria da música como um vocalista super talentoso e DJ ainda com apenas 20 anos. Com um impressionante show ao vivo que une esses talentos e que Harrison fez pela Europa, Ásia, América do Norte e África, realça de fato sua talentosa composição e voz individualista que levaram apoio dos maiores nomes do dance music, incluindo Tiësto, Avicii, Dimitri Vegas & Like Mike e muito mais.

Harrison foi capaz de apelar com todo seu talento para grandes nomes com suas letras distintas, cativantes e uma voz única que após sua colação com David Guetta, também atraiu Hardwell, unindo forças para a famosa track “Sally“, que se tornou uma das faixas mais tocadas e mais faladas no álbum “United We Are” de Hardwell, também alcançando o primeiro lugar no ranking na Holanda.

Acelerando as coisas, Harrison lançou uma série de faixas com Laidback Luke em seu primeiro álbum de artista em 13 anos (‘Never Rave Again‘), com Steve Aoki (‘Holding Up The World‘), Dannic & Lucky Date (‘Mayday‘), e também continuando sua carreira colaborativa com Thomas Gold (‘Take Me Home‘) e VINAI (‘Sit Down‘), colecionando um grande currículo com artistas renomados.

Lançando seu próprio selo Outlaw após o sucesso de seus lançamentos na Armada, Spinnin’ e a Revealed Recordings, um novo alvorecer surgiu para Harrison com o logo a ser lançado “Blinding My Vision”, traçando um caminho ambicioso de futuros graves que se fundem com seu talento vocal. Alimentando a emoção de seus próximos empreendimentos e provando sua paixão em sair sozinho, seu som é aquele que só poderia residir de um verdadeiro artista assumindo o controle de seu próprio destino.

Recentemente ele lançou outra colaboração com Hardwell, como também batemos um papo exclusivo com Harrison. Confira a seguir:

Você recentemente lançou “2 White Lies” com Kill The Buzz, e nós queremos saber de onde veio a ideia de colaboração e como você escolheu Leon Mallet como vocalista para essa música?

Eu e o Kill The Buzz já nos conhecemos há algum tempo, desde nossa primeira colaboração na Revealed Recordings do Hardwell em “Once Upon A Time“. Desta vez com a minha própria gravadora lançando na Outlaw, me dá mais liberdade com sons e eu sempre me diverti muito trabalhando com o Adithya (Kill The Buzz) antes, então eu pensei “por que não ?!“. Nós tivemos uma grande energia trabalhando juntos e eu acho que isso realmente veio à frente com o clipe, com todos nós gravando juntos. Eu acho que o Leon é um cara legal com uma voz muito única e eu queria alguns elementos que se destacavam da minha própria voz, então foi divertido tê-lo a bordo também.

Você pode nos contar mais sobre a Outlaw Records? Qual é o conceito por trás dessa gravadora?

A Outlaw sou eu abrindo minhas asas. Durante uma grande parte da minha carreira desde cedo, eu fui um artista de destaque ou lutando para obter um reconhecimento com muita cobrança, quando na verdade eu tenho escrito 90% do material que eu libero, chegando com as linhas de topo, melodias… E a Outlaw é a oportunidade para eu lançar a música que quero lançar a meu critério, e também apoiar alguns novos artistas ao longo do caminho. Temos mais a ver com qualidade do que com quantidade, então dedicar um tempo para criar exatamente o que queremos lançar é muito importante, eu tenho um papel importante em todos os aspectos da Outlaw, desde a ligação com os artistas, até dirigir e liderar as decisões criativas.

Podemos dizer que um dos seus maiores destaques foi como vocais em algumas faixas de EDM. Como você se sente sobre isso e como você está se sentindo em relação a sua carreira atualmente?

Eu sempre produzi, mas sim, sou mais conhecido por meus vocais em grandes música com o David Guetta, Steve Aoki e o Hardwell. Como eu disse acima, a Outlaw é realmente a oportunidade para eu ramificar-se em meus próprios termos para poder liberar o que eu quero, quando eu quero como produtor, vocalista. Se dono da Outlaw Recordings é realmente libertador.

Quem são suas inspirações no momento? O que mais te inspira?

Eu sou inspirado por tudo, do pop ao rock, eu amo caras como Prince e The Police, mas a música pop é divertida, certo? Eu acho que caras como Kungs e Martin Garrix estão nesse ângulo de dança mais pop e não se fixam em um gênero – tipo, como diabos Marshmello conseguiu explodir desse jeito? Ao trabalhar com alguns dos maiores nomes do ramo, seja rap, trap ou pop, ele é diverso e é algo pelo qual eu me esforço totalmente, ao mesmo tempo em que adiro ao que acredito ao mesmo tempo.

E o que Harrison planejou para o resto de 2018?

Muitos novos lançamentos na Outlaw, 2018 realmente será o nosso ano! Já estamos em conversas para o próximo grupo de lançamentos, apenas pontuando alguns “i’s” e cruzando os “t” no momento, mas você pode ficar de olho em nossas mídias sociais para mais informações! Eu também estou procurando voltar para o Japão Ásia em breve, eu amo meus fãs por lá, mas basicamente, é muito malabarismo e garantir que tudo seja executado da melhor maneira possível para nós. Estou animado para voltar à estrada novamente, sem dúvidas!

Sobre Amanda Nakao

Amanda Nakao
Viciada em criar pautas para DJs e ir a shows de música eletrônica.