21 de março de 2019

[Entrevista] Liu fala sobre a experiência de tocar pela primeira vez no Tomorrowland Brasil

O Brasil tem sido um celeiro de novos talentos, mas desses todos, nenhum teve uma ascensão tão meteórica quanto o jovem produtor Liu. Com seu hit Don’t Look Back, ao lado de Vokker, ele alcançou a marca de um milhão de plays e assim lançou-se como um dos grandes nomes do país.

LiuProdutor há 8 anos, Liu foi citado em entrevistas como menino prodígio e revelação da cena por Vintage Culture, Alok (2x), Senne (dono da maior escola de produtores do Brasil), Raul Mendes, entre outros.

Em 2014, Liu venceu um concurso promovido pela rádio Metropolitana FM, ganhando a oportunidade de abrir o show do Capital Cities em São Paulo, além de poder mostrar suas habilidades de live performance.

Liu conseguiu apoio de todos os gigantes da cena brasileira, como Alok, Vintage Culture, Illusionize, Senne, Raul Mendes, com seu som tecnicamente impecável e totalmente inovador, voltado para os gêneros deep e future house.

Nós falamos com Liu logo após sua apresentação na Tomorrowland. Confira a entrevista a seguir:

Se apresentar no Tomorrowland é sempre uma experiência única, como você explica a sensação de se apresentar num evento desse tamanho?

No meu caso em especial, foi uma experiencia bem mais que única, pois nos 8 anos em que produzo sempre tentei de todas as formas tocar em eventos e ser agenciado. Por mais que eu tentasse, meu publico continuava sendo a minha mamãe Liu, meu pai, irmãos e amigos no meu quarto quando eu estava mostrando minhas musicas a eles. Já havia inclusive largado mão de tentar tocar e estava apenas produzindo e estudando engenharia. Em 5 meses tudo isso aconteceu, e este ano tive a chance de tocar minhas músicas para minha família no palco da Tomorrowland. Mamãe Liu estava pulando lá na frente e eu chorei no meio da Don’t Look back! (risos). Realmente indescritível a sensação de em 4 meses sair do meu quarto para o palco do maior evento do mundo, me sinto abençoado por estar tendo esta chance e agradecido a Deus e atodos que sempre me apoiaram!

Qual o sentimento que fica após a apresentação?

Exatamente no dia seguinte após a apresentação bate a famosa “bad pós tomorrow” . Achei que ocorreu só comigo mas bateu em vários amigos meus como Luke ST e Naccarati (risos). Brincadeiras à parte, fica um sentimento de amor à vida e de gratidão por ter feito parte deste festival maravilhoso. Fiquem ligados pois logo mais sai o meu Aftermovie!

O que mais te chamou a atenção no público durante a sua apresentação?

O que mais me chamou a atenção foi a energia que todos me passaram. A forma como o espaço foi enxendo e aos poucos todos começaram a pular mudou minha concepção de vida. Claro que ver a mamãe liu pulando com meu pai e meu irmãozíssimo Thomas Liu lá na frente, assim como eles pulavam quando eu mostrava minhas músicas no meu quarto me deixou realmente emocionado, pois a vibe é exatamente a mesma: seja para 4 pessoas ou para 20000, a música continua passando a mesma mensagem de união.

Liu & Vokker Don’t Look Back

Alok & LiuBolum Back

Sobre Redação WiR