Entrevista: Trikk fala sobre participação em disco especial da DGTL e estilo

O português Trikk tem a reputação de ser um artista muito detalhista, que presta muita atenção aos detalhes da arte. Isso é notável até mesmo em nas redes sociais, com fotos conceituais e “diferentonas”, ultrapassando os limites da arte musical e invadindo outras áreas artísticas.

Na música, o respeito que ganhou nos últimos anos também é notável. O sucesso de ‘Proto Rhyt’ (Lossless, 2016) e o EP ‘Florista’ (Innervisions, 2016) abriram caminho para o artista, com o primeiro EP duplo do artista. Neste ano, Trikk se tornou parte do álbum especial de 5 anos da DGTL, a WiR teve a oportunidade de conversar com o artista sobre este grande feito e sobre alguns outros pontos da carreira artística.

WiR: Olá, Trikk. Para começar, podemos falar sobre a música “Ponto”, que faz parte dos 5 YRS of DGTL Records Part 4. Você pode nos contar sobre o processo criativo com Frank Wiedemann para fazer essa faixa?

Trikk: Frank e eu pensamos em trabalhar juntos por um tempo, percebemos que poderíamos refazer alguns esboços antigos de Ame que nunca viram a luz do dia e atualizá-los para a paisagem sonora do mundo de hoje, “Ponto” foi um desses trabalhos. Criativamente, tentei ficar perto do conceito e do clima original e apenas dar um pequeno toque e adicionar um pouco da minha alma a ele.

WiR: Ouvindo as faixas, só podemos pensar em uma palavra: conceitual. Como você descreve elas?

Trikk: Difícil julgar e descrever meu próprio trabalho, mas no melhor da minha capacidade eu o chamaria de ‘natural’ em camadas e honesto.

WiR: Você lançou uma faixa no selo Innervisions em 2016 e se tornou um membro sempre presente nas formações do selo. Você poderia falar mais sobre o relacionamento entre vocês?

Trikk: Me pareceu uma transição natural que eles queriam ter naquele momento, musicalmente falando, e eu acredito que é um daqueles momentos no lugar certo, na hora certa. Somado a isso, na época, os fundadores do IV estavam se mudando para projetos diferentes, como uma agência de reservas, e eles me pediram para participar também, então tudo se conectou. A partir daí ficamos próximos não só pela música mas por uma mentoria muito natural que eles deram, tentei e ainda tento aprender o máximo possível com eles.

WiR: Gostamos muito da forma como se expressa artisticamente. Você poderia nos contar mais sobre a forma como você explora a identidade visual do projeto nas redes sociais?

Trikk: Obrigado. Eu também acredito que está por trás da música e deveria ser honesto e real com vocês. Começou como uma ideia anti-social, na verdade, não seguindo o algoritmo para ser mais exato. O fato de as imagens nas minhas redes sociais serem conceituais e terem espaço para interpretação me permite ser um pouco mais livre disso estranhamente, não me sinto obrigado a postar todos os dias apenas por causa de conteúdo forçado, curtidas ou popularidade. Não é universalmente agradável ou compreensível, às vezes até toca um pouco de elitismo, mas é minha maneira de comunicar minhas ideias para minha própria bolha musical e, ao mesmo tempo, me libera para o que é mais importante no final, criar e compartilhar música.

WiR: Você pode nos indicar 3 artistas para ficar de olho?

Trikk: Imperieux, Upercent e Invoker.

Vitor Gianluca tem 24 anos e é formado em Comunicação Social - Jornalismo, pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Conheceu a música eletrônica nos "antigos" CD's Summer Eletrohits e hoje escreve para a Wonderland In Rave.