Especial DGTL: Conheça os artistas nacionais que compõem o line-up do festival

Após dois adiamentos e muita espera, a DGTL São Paulo 2022 promete ser um dos maiores eventos do ano no país. O evento retorna com um line-up de peso, recheado de nomes nacionais e internacionais que irão esquentar a pista durante o festival. Mas será que você já conhece todos os nomes que farão parte desta edição?

Em parceria com a DGTL, a WiR traz a lista de artistas nacionais e internacionais que comandarão as pick-ups e guiarão o público a uma viagem onde tudo o que importa é a música. No entanto, esta lista precisou ser dividida pela quantidade de nomes confirmados para este grande evento, portanto, vamos aos nomes nacionais.

DGTL Festival une música, arte e sustentabilidade. Foto: Divulgação.

Benjamin Ferreira

O paraense Benjamin Ferreira é um artista conhecido pela vasta pesquisa musical, ou seja, com um grande repertório de influências e que traduz isso com muita técnica durante as apresentações. Com mais de duas décadas de bagagem, o produtor traz um pouco de house, disco e techno, com influências de música brasileiras latinas e africanas também. O DJ e produtor tem músicas lançadas pelos selos ingleses Midnight Riot Records e Faze Action Records. (Além de ter residido clubes que vão do clássico porão do Bar do Netão ao icônico Jazz nos Fundos). Organiza uma das principais festas de disco music de São Paulo, Stay Free e atualmente, é residente da Ursound, no Hotel Cambridge.

Binaryh

Uma das duplas mais amadas do techno melódico, Binaryh duo formado pelo casal Camila Giamelaro e Rene Castanho também está presente no line-up e promete mais uma apresentação memorável. A dupla recebe suporte de grandes nomes da indústria, como Tale Of Us, Mind Against e Kevin de Vries. A construção e conexão melódica que a Camila e o Rene fazem, hipnotiza e envolve qualquer pessoa na pista.

Além da presença no line, a dupla já faz parte do evento antes mesmo de acontecer, afinal, a música do clipe de retorno do festival é do Binaryh. Foi uma emoção muito grande saber que um festival com a magnitude do DGTL, com o qual sempre nos identificamos, queria nos ter como parceiros nesse lindo trabalho que realizamos. Assim como eles, nós gostamos de compartilhar sensações únicas, tanto nas músicas que produzimos quanto nos sets que apresentamos. Nós queremos criar momentos especiais para quem está na pista, e todas as vezes que estivemos no evento nos sentimos assim: acolhidos, abraçados e fazendo parte de algo extraordinário“, afirmou Camila Giamelaro, do Binaryh.

Cashu

Carolina Schuzter ou Cashu já esteve presente no line-up da DGTL São Paulo 2018, no palco Generator e é uma das peças chave da cena queer underground eletrônica da cidade de São Paulo. É conhecida é uma das mentes por trás da criação da Mamba Negra, festa que surgiu no início da segunda década dos anos 2000 e desde então tem levado vida a diversos espaços abandonados de São Paulo com uma ideia de expandir o público, os locais e a cena eletrônica da cidade.

Cashu vem crescendo e ganhando grande projeção internacional nos últimos anos. Já tocou em outros países da América, como Paraguai, Chile, Colômbia, México e Estados Unidos. Já realizou três turnês pela Europa se apresentando em clubes como Rex, em Paris; De School, em Amsterdã; Berghain/Panorama bar, em Berlin; além do Dekmantel Festival, no palco do Boiler Room. Ela realiza eventos de rua, em locações degradadas e não habitadas, ocupações estudantis e artísticas resultam em festivais autogeridos, além de carregar e impulsionar as lutas por representatividade feminina, liberdade sexual e de gênero, além da música.

JUNIOR_C

JUNIOR_C é residente de dois dos maiores clubs da cena underground brasileira, AME Club e D-Edge; e, com diversas apresentações em festivais todos os cantos do Brasil e do mundo, entre elas, duas edições do Tomorrowland, onde foi indicado como uma das “10 atrações para não se perder no festival”. É também integrante do seleto time da gravadora de Gui Boratto, a D.O.C. Records, label pelo qual lançou seu single “Coming Over”. A música rapidamente ganhou destaque no mercado e contou com remixes do próprio Gui e do alemão HOSH.

Marcio S.

Com o início da carreira nos anos 90, Marcio S. é residente no Mothership D-Edge e flutua entre o house e o techno. Chicago e Detroit são duas cidades cheias de cultura e fazem parte do background do artista, que mistura essa bagagem com a raiz paulistana do artista. Marcio também possui apresentações pelos quatro cantos do país, com destaque para a cidade de Manaus, onde residiu por uma parte de sua vida e foi um dos principais fomentadores da noite na região.

DJ Mau Mau

Um dos maiores artistas do cenário house/techno do Brasil, DJ Mau Mau tem uma carreira invejável de mais de três décadas, com influência do movimento underground americano e europeu. Mauricio Bischain teve papel fundamental na construção da cena nacional, sendo residente de clubs históricos como Sra. Krawitz, Hell’s Club e Lov.e Club, locais responsáveis por uma grande revolução no contexto cultural da música eletrônica brasileira.

Ney Faustini

Formado nos clubes lendários da cultura clubber brasileira, Ney Faustini já ganhou pistas ao redor do Brasil e do mundo, tendo tocado em renomados festivais como Rock In Rio, Dekmantel, DGTL e Tribaltech. Por mais experiência que acumule no decorrer da carreira, os sets e produções são a materialização de uma criativa e enorme vontade de inventar e se reinventar, colocando Faustini em um patamar entre os mais consolidados e respeitados artistas do país.

Pricila Diaz

A DJ, produtora musical, ativista cultural e co-fundadora e idealizadora da CAVEClub, único Club dedicado exclusivamente à música eletrônica na Baixada Santista, Pricila Diaz hoje divide com maestria o seu tempo e suas ações, para conduzir toda essa diversidade que faz parte da sua rotina. Como produtora musical, ela evidencia a paixão por elementos rítmicos latinos, que traduzem nas pistas a identidade, que já lhe rendeu apresentações que vão desde renomados eventos como o WarungTour, e passagens marcantes por clubs emblemáticos como o Cafe De La Musique, e também a residência da festa Soulshaker, e é claro no seu próprio Club, o Cave.

Renato Ratier

Com mais de duas décadas de carreira, Ratier é considerado um dos DJs mais fortes da cena eletrônica brasileira. Responsável pela abertura do D-EDGE, clube conceituado e reconhecido ao redor do globo, que nasceu nos anos 2000 em Campo Grande e hoje enraizou-se em São Paulo, além de outras diversas iniciativas. É também um dos DJs brasileiros mais requisitados no mercado internacional e figura presente em line-ups dos principais festivais do mundo. Era sócio-proprietário e DJ residente do premiado Warung Beach Club, espaço localizado na Praia Brava de Itajaí, em Santa Catarina; e, após anunciar a saída oficialmente do projeto, anunciou o novo complexo artístico localizado na cidade de Camboriú, o Surreal Park.

Murphy

Murphy é um dos DJs desta lista que coleciona momentos, isso porque, também iniciou a carreira nos anos 90; e, além de acompanhar, fez parte do processo de construção da cena brasileira. É conhecido como um dos principais disseminadores do techno brasileiro e pela técnica que adquiriu com os anos nas pistas. É conhecido internacionalmente e já tocou em vários lugares ao redor do globo, como os festivais Awakenings, Time Warp e Nature One. Como produtor, já assinou com importantes labels como Dolma Records, Fine Audio e Hotstage, gravadora gerenciada por ele ao lado de Spuri.

Tessuto

Com “apenas” 11 anos de carreira, Tessuto demonstra grande capacidade de inventar novas misturas sonoras, além de criar conceitos revolucionários nos projetos que comanda. Responsável pela criação do Carlos Capslock, festa itinerante que ajudou a moldar toda uma geração de clubbers e festas paulistanas, colocando a cidade no mapa mundial do techno. Tessuto também já marcou presença em diversos festivais grandes, dentro e fora do país. Dentre eles, destaque para Dekmantel Festival SP 2017 e 2018, Rock In Rio, XXXperience, Time Warp, Kaballah, Gop Tun e D-EDGE, onde foi residente de 2010 a 2015.

Valentina Luz

Com um repertório diversificado e recheado de referências nacionais, somando house music, afro house, techno e funk carioca, Valentina Luz é capaz de agitar qualquer pista com muita ritmo e energia. A DJ, produtora e modelo, realizou recentemente um show warm up elogiado antes da apresentação de Solomun, em Interlagos; e, promete fazer o mesmo durante a apresentação que fará na DGTL São Paulo 2022. Além de já ter participado de diversos festivais de peso, como as festas Mamba Negra, Odd e Dekmantel; Valentina é uma das artistas mais representativas de todo o line, por ser uma mulher trans negra e fazer parte da luta contra a transfobia.

Mais sobre a DGTL São Paulo 2022

A lista de DJs e produtores de peso que farão parte desta edição da DGTL é muito extensa, ou seja, podemos esperar muita diversidade sonora e muitos sets cheios de vida. Nesta lista, falamos apenas dos nomes nacionais que fazem parte da lista, mas não se preocupe, logo soltaremos a lista com os nomes internacionais do line. O evento vai acontecer no Pavilhão do Anhembi, São Paulo; e, está marcado para o dia 9 de abril. Para mais informações sobre o evento, basta seguir o link para o site da oficial da DGTL.

Vitor Gianluca tem 24 anos e é formado em Comunicação Social - Jornalismo, pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Conheceu a música eletrônica nos "antigos" CD's Summer Eletrohits e hoje escreve para a Wonderland In Rave.