18 de junho de 2019

Ferry Corsten aprofunda sua exploração musical com um álbum de conceito Sci-fi (‘Blueprint’) e turnê mundial

Tem sido dito que “a exploração espacial é uma força para si mesma”, uma afirmação que pode ser apropriadamente aplicada à experiência de descoberta musical. Dono de uma música com essa qualidade atemporal, Ferry Corsten se empenhou em levar sua exploração mais profunda com seu quinto álbum. Intitulado ‘Blueprint‘ por causa de sua abordagem técnica para este ultimo lançamento. Natural de Rotterdam, teve uma epifania de juntar música com um enredo que vai além de letras nebulosas.

Combinando o seu amor pela arte de roteirista e da classificação de filmes, Ferry criou o “Blueprint” como um lançamento conceito, para colocar uma perspectiva mais ampla em sua visão musical.

Transcendendo qualquer gênero referencial, o enredo do Blueprint gira em torno de dois protagonistas: Lukas, e o ser extra-terrestre Vee. De uma descoberta de um vínculo com a consciência, para viagens interdimensionais, “Blueprint” embarca em uma viagem pela galáxia fazendo muitas perguntas pra quem está ouvindo.

Encapsulado na trilha sonora, há uma narrativa musical que se entrelaça com um storyboard criado pelas mentes de David H Miller (House Of Cards e Rosewood Fame) e o próprio Ferry. O esforço resultante dá ao ouvinte uma direção conceitual que é maravilhosamente linda. Narrado pelo ator de Hollywood, Campbell Scott (conhecido por The Amazing Spider-Man e O Exorcismo de Emily Rose), a voz desvenda o mistério do enredo do “Blueprint”.

No álbum, aprendemos que, a partir das bordas mais profundas do espaço, “The Drum” pode ser ouvido, repetido, sem qualquer entendimento quanto ao seu motivo ou propósito. Nenhuma das maiores mentes da Terra nem a superpotência governamental podem decifrar sua existência. Excepto um. À medida que o ouvinte viaja da primeira, até a ultima música, o álbum narra a viagem de Lukas e Vee quando um novo mundo é aberto para não apenas a mente, mas o coração.

Com a sua primeira faixa ‘Blueprint’, o álbum começa em uma forma maravilhosa que chega a euforia e a sedução em seu coração, enquanto dispara para as estrelas se preparando para um balé cósmico. A recompensa atmosférica de ‘Venera (Vee’s Theme)‘ é adorável, e os ouvintes têm seu primeiro encontro com Vee. O vocal de Eric Lumiere acrescenta profundidade à chegada do personagem com ‘Something To Believe In’ antes de ‘Edge Of The Skye‘, com Haliene, acende uma odisséia para ‘A World Beyond‘. A construção metronômica de ‘Trust‘ é industrialmente rica e perfeitamente preparada para essa exploração interestelar. Enquanto isso, os sons “de outro mundo” de “Lonely Inside” nos irradiam no isolamento do espaço e tornam todo o significado além de uma emoção, o desejo. O sentimento na voz de Haliene mostra a tensão de “Piece of You” antes de nos dirigirmos para o terceiro ato e encontrar “The Drum” novamente em ‘Drum’s A Weapon‘. O álbum majestosamente conclui com a bela combinação de Haliene e Eric Lumiere em ‘Another Sunrise‘ e a ‘Eternity‘ com seu esplendor.

A narrativa que daria nós em cientistas icônicos como Jules Verne, Hugo Gernsback e mais distintamente HG Wells, ao mesmo tempo em que compartilham familiaridades com shows modernos, como The OA, Westworld e o retrô Stranger Things , ‘Blueprint‘ é um trabalho exploratório que coloca a ficção cientifica em seu núcleo interestelar. Um lançamento corajoso e único de um dos artistas mais icônicos na cena eletrônica. Ferry quer que ‘Blueprint’ traga uma perspectiva mais ampla para o ouvinte, pois ele pretende que o álbum inclua dimensões de religião, história, Ideais e ficção científica para quem ouve.

Sobre Yohan Augusto

Yohan Augusto
☁️ Behind everyone's favorite song, there is an untold story.