19 de setembro de 2019

[Review] Mandallah completa 11 anos com sua maior edição

Nesta último dia (15) de outubro, aconteceu a edição de 11 anos de uma festas mais importantes do país, a Mandallah, que nesse ano realizou a sua maior edição com um line up extremamente recheado com os melhores DJs do psytrance e do Low BPM.

Nós da Wonderland In Rave enviamos alguns representantes que conferiram como foi essa edição, que nos ajudaram a descrever um pouco dessa incrível festa que tem se tornado a principal referencia no mundo do psytrance.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES

Alguns representantes da nossa equipe, chegaram mais cedo e acabaram enfrentando fila para entrar no horário de pico, o que resultou em uma pequena confusão que rapidamente foi resolvida, a outra parte da equipe chegou um pouco mais tarde e já não teve problemas para entrar, logo que entramos a primeira impressão foi o tamanho da festa e o mar de gente, realmente foi a mais grandiosa edição do evento, com uma tenda imensa que cobria a maior parte do main floor. Estimativas chegavam próximo das 20 mil pessoas na festa, o que para alguns foi um problema, pois a festa acabou ficando um pouco sem espaço. Logo em seguida, fomos aos bares, que estavam funcionando perfeitamente com bastante atendentes e com pouco tempo de espera fomos atendidos, as bebidas estavam sempre geladas e sempre bem servidas.

MAIN STAGE

Main Stage
Era o grande destaque da festa, com um palco imponente, uma decoração psicodélica, um telão imenso e uma tenda que cobria a maior parte do evento era difícil não se encantar com o tamanho e a beleza do Main Stage. Ali se apresentaram os melhores djs e produtores do psytrance e nós fizemos uma lista das melhores apresentações dessa Mandallah.

Bizzare Contact

Uma das grandes apresentações da noite, Bizzare mesclou entre o full on, com toques de electro e o progressive do projeto parelelo Royal Flush, o que levantou o público do começo ao fim do set.

Undercover

Fez uma apresentação épica, para alguns a melhor apresentação da festa, tocando as clássicas Bali Kali e Chapatti, duas das faixas mais tocadas no ano todo. Undercover tem sido um dos grandes destaques do psytrance nos últimos tempos.

Static Movement

Com uma linha mais séria e reta, Static Movement fez uma apresentação constante com muito progressive psicodélico, suas faixas eram mais introspectivas fazendo um excelente set.

Zanon

O brasuca que tem mais ganhado espaço na cena nos últimos tempos, fez uma apresentação de tirar o fôlego, com suas tracks explosivas Zanon fez o público pular do começo ao fim do set, confira um vídeo do que foi a apresentação do brasuca.

Raja Ram

Um dos pioneiros do psychedelic trance e um dos mais aguardados na Mandallah, Raja Ram, entrou ao meio-dia, com o sol batendo forte na pista e o mago mostrou porque é um dos maiores nomes do psytrance, com um set cheio de energia e clássicas, fez o público delirar com sua apresentação. Vida longa ao Full On.

Vini Vici

Talvez o maior nome do progressive psytrance atual, aonde passa leva multidões, fizeram uma apresentação muito boa, com algumas produções novas e as clássicas “Free Tibet” e “The Tribe”.

Liquid Soul

Para muitos o mestre das melódias fez a melhor apresentação da festa, com um set conduzido com maestria Nicola Capobianco fez o público vibrar e chorar com suas tracks mesclando o trance europeu e o progressive trance. A pista enlouqueceu quando ele tocou a famosa faixa “Crazy People”.

Reality Test

A grande revelação do progressive trance e a maior surpresa da festa, impressionando todos com sua energia contagiante e uma apresentação impecável. Apresentou diversas tracks sensacionais e inclusive um remix de primeiro nível do duo lendário Daft Punk.

Devochka

Soube fazer a transição do progressive trance para o minimal como ninguém, uma apresentação que surpreendeu até quem não gosta de minimal e techno. Com suas produções bem elaboradas e pesadas, ela mostrou que as mulheres estão muito bem representadas na cena. Confira a nova track dela com Mandragora:

 

CHILL OUT

O Chill Out era um lugar incrível, perfeito pra quem queria descansar um pouco, a música boa e a sombra das tendas que rodeavam o lugar tornava o descanso mais agradável pra quem estava ali presente. As pessoas estavam super confortáveis, e quando chegamos foi assim que nos sentimos também, era realmente o lugar perfeito para um Chill Out, era um pouco depois da entrada da festa, no que parecia ser uma quadra de futebol, a sombra estava por toda a parte, o que tornou ainda mais agradável o clima. As bandas que tocaram foram incríveis, e as pessoas estavam se divertindo muito. Mais festas deveriam investir no Chill Out, pois é um lugar perfeito para se repor as energias.

 

CONCLUSÕES

Um dos poucos eventos que ainda é realizado com o coração sempre buscando agradar o público, porém, com a massiva quantidade de pessoas que foram para a Mandallah, alguns reclamaram da falta de espaço e da quantidade de lixo jogado no chão, mas lembremos que quem deve se policiar com o lixo é o próprio público, se o público tiver consciência de cuidar do seu próprio lixo, o solo sagrado sempre estará limpo. Tirando esses pequenos fatos isolados, a festa teve uma decoração linda, com um soundsystem incrível que podia ser ouvido perfeitamente no main stage inteiro, além de um Chill Out muito lindo e com uma energia muito positiva.

 

AÇÃO SOLIDÁRIA

Um ponto positivo a mais foi uma ação solidária, na qual todos que compareceram ao evento tinham que doar um quilo de alimento não perecível, com quase 20 mil pessoas presentes na Mandallah, foram arrecadados mais de 5 toneladas de alimentos, além de muitas frutas, roupas e brinquedos. Um fator que só aumenta o brilho de uma maiores festas do país.

E assim foi a Mandallah, uma rave que trás apenas coisas boas para a cena da música eletrônica, que quebra paradigmas e prova que a nossa cena cresce cada dia mais! Nós vemos na próxima Mandallah!

Cobertura por: Jarede Carvalho de Lima, Thais Scodelario, Fernanda Nalim e Karine Menezes

Sobre Redação WiR