Avicii: o artista que mudou nossas vidas

Devo começar este post alertando que ele foi feito à base de lágrimas. Aliás, falar sobre Tim Bergling, ou melhor, Avicii, nunca é fácil. Ontem, 20 de abril, completou 3 anos desde o seu falecimento. E para ser bem honesta, a ficha ainda não caiu por completo. Afinal, lendas nunca morrem.

Fiquei pensando inúmeras coisas sobre o que escrever, se escreveria em primeira, segunda ou terceira pessoa, se eu falaria sobre a trajetória em si, mas para falar verdade, acho que uma postagem em tributo dando voz à todos membros do site seria o ideal. Novamente, reforço: falar sobre o Avicii não é fácil.

Lembro até hoje, quando recebemos a notícia do seu falecimento no Omã com as causas não divulgadas. Mistério, dor, choque, curiosidade e tristeza, eram sentimentos que definiam todo admirador do Avicii. A música possui um poder tão forte sob nós, que é uma montanha russa de sentimentos e que vira um casamento: na alegria ou na tristeza, na saúde ou na doença, até que a morte nos separe – (aliás, existe rave após a morte?).

Foto: Avicii em estúdio / Divulgação

“A música é uma das coisas mais belas da vida, e a electronic dance music teve o privilégio de ter alguém como o Avicii, onde ele transmitia os diversos sentimentos sentidos por meio das letras e batidas. Sou um eterno fã dele, sua história deixada aqui para todos nós é muito bela, apesar do ponto final deixado. Mas amo seguir uma letra de uma de suas músicas que me inspira a viver, pois, a coisa mais linda oferecida para nós é a própria vida. Então gosto de lembrar dele com uma frase – “so live a life you will remember”.” – Renan Galati (Redator WiR).
“Avicii sempre foi um exemplo, um DJ que não tinha medo de inovar, mostrou ao mundo que sucesso se alcança com algo novo e com personalidade. A sonoridade do Avicii é facilmente reconhecida, é um som único. Ao apresentar seu álbum ‘True’, no Ultra Music Festival, em Miami, em 2013, Avicii foi muito criticado na comunidade eletrônica, principalmente com ‘Wake Me Up’, atualmente um dos maiores clássicos da EDM. Avicii dedicou a sua vida à música, é algo que nunca iremos esquecer, e seremos eternamente gratos.” – Vinicius Martini (Redator WiR).

Avicii foi o artista que quebrou todas as barreiras que a música eletrônica estaria ou estava com dificuldades para alcançar. A expansão musical e harmônica que conhecemos hoje, se deu graças ao Tim. Um talento e um conhecimento totalmente a par do que ouvimos diariamente no rádio, nas plataformas de streaming e em sets, shows de vários artistas que prezam pela boa e gigantesca música eletrônica que engrandece a cada dia.

Tim entrou para complementar um sentido que encontramos hoje e que sem ele, não ouvíamos música eletrônica com o mesmo gosto atual. Mesmo com grandes artistas que se destacavam na mesma época, como David Guetta, por exemplo. A ascensão de Black Eyed Peas e outras bandas pop que talvez hoje nem existam mais, fizeram crescer a popularidade da identidade eletrônica. Mas Avicii, sozinho, conseguiu transformar e destacar que a música ela pode haver todas as características possíveis que existem no mundo da música em geral inseridas para o mundo do EDM.

“Tim foi um dos primeiros DJs que conheci, a quase 10 anos atrás. A sensação de ouvir Seek Bromance pela primeira vez é indescritível e toda vez parece ser a primeira. Uma das coisas que mais me fascinam em suas composições é a forma como cada track toca os fãs. Suas letras sempre tocam profundamente quem as ouve, além de ter um estilo único. Vai muito além de uma simples faixa, é difícil descrever, mas as músicas soam diferente das demais, é só comigo? rsrs. Avicii foi um exemplo, em todos os quesitos. Como artista, como pessoa, como profissional, como filho, como produtor… É um sentimento unânime em todos os cenários da música eletrônica. O que ele representa para toda a cena, é surpreendente! Uma grande perda e que jamais vou conseguir superar, mas seu legado, sempre será lembrado.” – Matheus Fialho (Social Media WiR).
“Na época que descobri Avicii, já conhecia muitas músicas e não sabia quem era o autor, foi daí que surgiu a paixão, tantos hinos de um mesmo cara, mas não eram só músicas de sucesso, hits, eram músicas com sentimentos e história, algo que realmente tocava no coração. Ouvir Avicii, para mim, resgata a sensação de infinito, algo que me deixa muito feliz quando estou descobrindo ou ouvindo uma música. E é por isso que a música me move atualmente, não tem nada mais que desperte esse sentimento de infinito.” – Wesley Nathan (Redator WiR).

Com suas músicas harmônicas, melodias arrepiantes, sentimos o verdadeiro poder de uma música feita com a alma. Uma música pode te impactar, um artista pode te chamar atenção. Mas esse combo: música + artista + composição, trazia para o fã, o que pouco se sentia nessa construção de vários estilos que temos hoje. O Tim era exatamente isso, a junção desses 3 fatores trouxeram a uma explosão de fãs que se emocionaram, se apaixonaram, escreviam ou até mesmo, com uma única música, reconheciam o grande profissional que Avicii era.

Foto: Avicii / Divulgação

“Avicii é parte da minha história e foi trilha sonora de grande parte da minha vida. Sabe aquele meme do Dinho Ouro Preto que ele fala que falta uma banda que una todas as tribos como foi com o “Norvana”? O Avicii foi esse artista. Você não precisava ser fã de música eletrônica para amar e não parar de ouvir as músicas dele. A música do Avicii encaixa em qualquer ocasião, cativa e traz uma vibe inexplicável onde quer que você esteja. Um artista completo e incompreendido. Alimentou meu amor pela música eletrônica, se tornou uma das figuras que eu mais admiro. Nunca vou saber explicar essa admiração. Ele faz falta. Ele fez a diferença. Sou grata por ter vivido na mesma época de sua existência. Obrigada por ter existido, Tim.” – Amanda Nakao (COO e CMO WiR).
“Não sei como contar da minha história de vida sem mencionar o Avicii. Em tantos momentos difíceis durante minha adolescência, com todo o processo de crescimento e descobrimento de quem realmente sou. Eu nunca me senti tão representada assistindo aos vídeos e lendo a tradução das letras das músicas, é realmente difícil expressar o sentimento de sentir-se acolhida por isso, e saber que aquilo é o que te faz feliz… É como se você tivesse achado uma mina de ouro só sua! A música do Avicii me faz sentir livre, eufórica, nostálgica, chorosa e feliz, de alguma forma eu me sinto bem e consigo sentir cada melodia e conseguir entender a mensagem passada pelas batidas. É sempre uma sensação de que vai ficar tudo bem, e a música estará sempre lá por você. Sinto uma enorme falta mas nunca irei parar de espalhar a sua música por cada lugar que eu for.” – Ianne Souza (Redatora WiR).

Jovem, com uma carreira já conhecida por sua maioria de fãs da música em geral, mas sempre com novidades e surpresas como ele sempre teve. O mundo perdeu um revolucionário, que apesar de suas desavenças e problemas psicológicos, fez vários artistas pensarem sobre suas vidas. Avicii sofria com problemas de vício e desgaste psicológico, onde o afetou diretamente em sua performance, anunciando uma aposentadoria dos palcos em 2016.

Com os vastos problemas, vários artistas do segmento e fãs do mundo todo seguiram com uma linha de pensamento que é destaque nesta sociedade atual. Problemas como depressão, desgaste, burnout e entre muitos outros estão como pautas neste mundo moderno e com isso, artistas andam equilibrando mais suas vidas com o forte desgaste de viagens, produções, entrevistas, shows e outros vários perrengues da vida que os consomem e a busca de ajuda fica cada vez mais difícil pois o limbo de estresse e solidão o faz se sentir inferior perante as pessoas e o convívio com elas.

Avicii faleceu aos 28 anos idade, porém, começou no mercado eletrônico com apenas 6 anos de idade. Você tem noção o que é a rotina de um fenômeno mundial? Em seu documentário “Avicii: True Stories“, ele deixa bem explícito como essa rotina era torturante e o adoecia aos poucos.

“Conheci Avicii no rádio com seu hit Addicted For You, uma música sensacional com vocal forte e melodia dinâmica totalmente dançante e tocante assim como todas as outras músicas do sueco. Isso me apegou, sempre tive o gosto mais internacional da música e a música eletrônica esteve presente nos meus 12, 13 anos. Avicii trazia seus gostos pessoais à música e isso fez engrandecer a paixão que eu tenho por um artista. Levando em consideração o meu lado pessoal, Avicii construiu um afeto a música eletrônica e me levou a passos largos conhecendo várias pessoas que também o curtiam. E com esse afeto, ouvindo, traduzindo e pegando cada detalhe de suas músicas, isso me fez ter uma visão promissora sobre a música eletrônica hoje. São 8 anos ouvindo música eletrônica, 6 anos acompanhando de perto a maioria dos detalhes que os cercam e conhecendo o que temos hoje. Ao saber de sua morte, isso me deixou extremamente consternado. O peito aperta ao falar dele, mas o legado que ele deixou jamais poderá ser ignorado.“ – David Barbosa (Editor Chefe de Redação WiR).

Quando falamos de artistas suecos que impactaram a cena eletrônica mundial, sem dúvidas Avicii, Swedish House Mafia e Alesso, são os primeiros que nos veem à cabeça. Afinal, quem nunca ouviu a música desses artistas?

Falar de DJs, produtores musicais e afins, logo imaginamos as festas, festivais, diversão entre amigos, momentos inesquecíveis. E deixamos esse lado “festeiro” maquiar que por trás desses grandes hits, existem pessoas comuns como nós. Com sentimentos, problemas, famílias, desilusões amorosas e vícios.

O choque de realidade em saber que alguém que você admira se foi, é gritante. A ficha não cai e você não sabe processar. Afinal, a pessoa foi o motivo do seu entretenimento e muitas vezes, a música dela salvou você de inúmeras situações.

Fotos: Avicii, Alesso e Swedish House Mafia / Créditos: Rukes

“Eu poderia falar do quão incrível foi seu trabalho e quão relevante ele foi pra cena, mas falar de Avicii tem um significado mais pessoal pra mim. Ele foi sem dúvidas o artista que mais marcou a minha vida até hoje. Eu cresci assistindo lives (por ser menor de idade e morar no interior) e até então pra mim a música eletrônica se restringia a isso, uma realidade distante por trás das telas. Quando saiu o clipe de “Wake Me Up” tudo mudou pra mim, o sentimento que o clipe passa de pertencimento à algo maior me tocou profundamente e eu tive certeza de que era aquilo que eu queria viver. Eu era a única na minha turma que curtia música eletrônica, e o clipe me deu esperança para encontrar pessoas que sentiam o mesmo que eu. O famoso “all this time I was finding myself and I didn’t know I was lost”. Eu realmente fiquei com isso na cabeça e foi exatamente o que aconteceu. Sou a garota do interior que foi pra capital, conheceu pessoas com a mesma paixão e pôde viver o sonho de “Wake Me Up”. Tim tinha o dom de conectar as pessoas através de sua música de uma forma única e muito especial. É sem dúvidas uma grande inspiração. Serei eternamente grata por todos os momentos felizes que tive graças a ele.” – Mariana Burle (Designer e Direção de Arte WiR).

Avicii fez parte da vida e história de muitas pessoas e ele nem tinha noção dessa imensidão! O poder de sua música, por conectar as pessoas de outros lugares e com fuso horário diferentes, foi algo natural. Não houve barreiras para a sua música. E novamente: quando existe sentimento e afeto naquilo que foi criado, cria-se um elo que somente quem escuta, sabe o que é e consegue sentir.

Não é a toa que Tim era um dos artistas mais admirados e desejados para fazer colaboração ou desenvolver algum trabalho de produção musical. Artistas de diversos gêneros e vertentes, lamentaram seu falecimento. O sentimento de respeito e admiração pelo sueco, permanecem até hoje intactos no coração de todos.

Foto: Avicii / Divulgação

“Falar do Avicii é difícil, difícil porque me identificava muito com o jeito dele de ser, introspectivo e tímido, que nem eu. Foi isso que fez ele ser o meu primeiro contato com a música eletrônica quando ele ainda assina como Tim Berg, e assim eu enchia o meu pen drive, ainda criança, com as músicas dele e ouvia desde Alcoholic até Seek Bromance (que ficava no repeat – sempre). E assim foi sendo, sempre procurando ID’s e Sets perdidos do Avicii pela internet, que eram bem escassos lá pra 2011/12 até o lançamento de True e Stories, com músicas onde as letras mais pareciam histórias e transmitiam o que ele realmente sentia. Todas essas coisas fizeram o Tim ser, digamos, meu amigo. Foi o único ídolo que eu tive na música eletrônica, o único que faria de tudo pra ir em um show. Com certeza as músicas vão durar pra sempre.” – Andre Stoiber (Redator WiR).
“Conheci o Avicii em 2013, na fase mais difícil da minha vida. Lembro quando ouvi Wake Me Up pela primeira vez e tive um choque em como a letra era significativa pro momento que eu estava passando mas ainda assim, me trazia muita paz e felicidade. E desde então, esse era o sentimento que ouvir Avicii me trazia (e me traz até hoje). Infelizmente, não tive a chance de vê-lo ao vivo, mas o carinho é eterno.” – Pedro Henrique (Redator WiR).

Avicii é o maior nome da transformação da música eletrônica para um patamar mais abrangente que vimos nos últimos anos. Seus atos, suas músicas e inspirações refletem em quem acompanhou ou já ouviu falar. Com isso, temos certeza que seu legado continuará eternamente por sua contribuição e sua dedicação. E temos certeza que, de sua vida, podemos tirar muitas conclusões onde um ser humano pode chegar com base em suas paixões e inspirações.

Um jovem inspirador, revolucionário e lendário, que mudou a vida de várias pessoas. Inclusive, a nossa. Não há dúvidas que Tim Bergling sempre será tão admirado, carregará uma legião de fãs ontem, hoje e sempre, e estará presente em nossos corações. Avicii continua aqui. Seu legado está aqui. Em memória, em arte, em forma de amor.

Nós te amamos, Tim! Você é único. ◢◤

Amanda Nakao

Adora entrevistar DJs e é viciada em batata frita - não pode ver batata em festival que já quer!