Entrevista: Com data para vir ao Brasil adiada, Madeon fala sobre rotina durante o lockdown e seu álbum Good Faith

Dono de um som bem singular e que ganhou muita visibilidade em seu primeiro single “Icarus” em 2012, Madeon tornou-se um dos grandes gênios produtores da indústria eletrônica.

Com 11 anos, Hugo Leclercq, brincava de produzir e em 2011 tornou-se sensação internacional com o mashup “POP CULTURE”, que em menos de 1 semana teve seu clipe no YouTube visualizado por mais de 6 milhões de pessoas.

Presente nos maiores festivais do mundo como: Lollapalooza, Ultra, Coachella, Electric Daisy Carnival, entre outros, Madeon ganhou um programa especial no BBC Rádio, produziu faixa para Lady Gaga e ainda teve música inclusa no jogo FIFA.

No ano passado, Madeon lançou pela Columbia Records, o seu segundo álbum de estúdio Good Faith. Composto por dez faixas, o disco mostrou um grande foco na qualidade das produções, em vez da quantidade. Aproveitamos e batemos um papo via zoom com o produtor francês que nos contou um pouco mais como anda sua rotina durante o período de lockdown. Confira a seguir:

WiR: Hey Hugo, como está sua vida durante esse ano estranho?

Madeon: Hum, é muito diferente. Sabe, eu tinha muitos planos de fazer uma turnê de “Good Faith” ao vivo durante o verão e depois, e então fiquei um pouco desapontado que nada disso foi capaz de acontecer, mas você sabe, obviamente me sinto muito privilegiado e muito sortudo porque eu fico em casa e faço música e ainda posso ser criativo, sabe, mesmo estando preso em casa. Mas há muitas pessoas que não estão capazes de fazer seu trabalho normalmente e estão passando por um período muito mais difícil, sabe? Então eu acho que o mundo inteiro está sofrendo um pouco. Mas eu estou tentando praticar a gratidão e usar esse tempo para trabalhar nas habilidades que tenho pretendido trabalhar. Tenho escrito muitas músicas e tenho passado muito tempo, sabe, relembrando e vendo muitas das fotos e vídeos de turnês anteriores e estou tão surpreso por ter conseguido ter feito tanta turnê nos últimos anos, e mal posso esperar para recomeçar quando for, sabe? Eu acho que estou sendo paciente e, sei que quando eu for subir no palco de novo, seja lá o que for, estarei chorando de alegria, sabe. Então é isso que estou procurando.

WiR: Posso imaginar que você tem muitas musicas a caminho devido essa adaptação de ficar em casa. Acho que você teve tempo para cuidar mais de você e ficar com família, né? 

Madeon: É, infelizmente não, eu não posso ver a minha família. Então eu moro nos Estados Unidos, eu vivo em Los Angeles. E quase toda a minha família está na França. E infelizmente, como não sou cidadão, não pude sair do país. E então eu não fui capaz de ver nada e ninguém realmente nos últimos meses. Mas eu tenho feito uma boa escalada e tenho passado esse tempo escrevendo músicas e estou tentando explorar minha criatividade de maneiras que são mais lentas e pacientes sabe, porque sou menos interrompido do que eu estaria normalmente se estivesse em turnê. Então, sim, há muita música a caminho, mas estou tentando ter certeza de não me precipitar em nada e que aprecio o tempo que me é concedido agora, mas sim, assim que eu puder, mal posso esperar para ver minha família novamente. Você sabe, eu sinto muito a falta deles.

WiR: Você deveria vir ao Brasil este ano para tocar pela segunda vez no Lollapalooza. Nós estávamos muito animados para te ver! O seu show era para ser um live set, né? Você tem um plano para remarcar sua vinda para a América do Sul no próximo ano?

Madeon: Sim. Estávamos muito animados, todos na equipe estavam muito animados com a parada na América do Sul durante a turnê. Estávamos ansiosos por isso por tanto tempo, sabe? Meu último show antes de encerrar foi no México e foi um dos melhores shows que já fiz na minha vida. Então, eu me senti tão animado em poder, voltar para a América Latina e voltar para lugares onde não vou há anos e me apresentar a novos lugares. Então, sempre que o mundo nos permitir fazer isso, quando for o caso, nós faremos! Com certeza voltaremos assim que for seguro e possível. Essa é a nossa maior prioridade. Em breve, eu espero, estou cruzando os dedos. Será mais cedo do que pensamos. Mas seja quando for, estarei aí com certeza.

WiR: Você recentemente lançou “The Prince”, qual é a história por trás da faixa?

Madeon: Sim, claro! Então, eu coloquei meu álbum, “Good Faith”, no final do ano passado, em novembro, e foi um álbum muito sobre alegria e celebração e reivindicar alegria e felicidade. Mas você sabe, eu acho que para recuperar a alegria, significa que você teve que lutar contra alguns demônios ao longo do caminho, você teve que recuperá-la de um lugar, de tristeza, talvez. E então eu descobri que queria mostrar aos meus fãs como eu me sentia antes de Good Faith. Então a gravura é na verdade uma música que eu fiz anos atrás, logo quando comecei a fazer Good Faith, é a primeira música que terminei de Good Faith, mas acabei removendo porque achei que estava muito “dark”. E eu percebi que agora que o álbum foi lançado, seria uma boa ideia pintar um quadro amplo do contexto no qual fiz Good Faith e, portanto, penso The Prince um pouco como um prólogo, sabe, como uma introdução, e assim, então espero que ilumine mais no álbum Good Faith. Então sim, eu não tinha certeza se iria lançá-lo, mas durante o lockdown, eu tenho feito várias transmissões ao vivo e durante uma dessas transmissões, na verdade meio que espontaneamente decidi tocar. E os fãs realmente reagiram e pediram por isso. E eu decidi, que iríamos lançar então. Estou muito feliz que esta música que venho apreciando há anos finalmente foi lançada, sabe?

WiR: Sou uma grande fã do visual de Good Faith, infelizmente nunca estive ao show, mas acompanhei diversos vídeos pelo YouTube. Tudo é muito bonito, as cores bem vivas e sincronizadas. Então, minha curiosidade é: você também participa da produção de todo visual do seu show?

Madeon: Sim, sou uma grande parte do visual. Quer dizer, eu sempre fui apaixonado por maneiras de ilustrar música, na arte e no visual do show. E então eu costumava fazer todas as minhas próprias ilustrações sozinho no meu primeiro álbum, e agora tive a sorte de encontrar um monte de pessoas realmente talentosas para se juntar ao time e como se realmente nos tornássemos uma família fazendo os visuais de Good Faith foi uma das minhas favoritas com a experiência criativa de toda a minha vida, nós tínhamos, todos os tipos de pessoas diferentes e todos nós moramos juntos em um Airbnb em Los Angeles e nos tornamos como uma família trabalhando por meses depois de chegar com todos esses recursos visuais e editá-los cuidadosamente de acordo com a música e também estávamos orgulhosos do que alcançamos, sabe? Era exatamente a visão que eu tinha em mente, que sonhei em fazer aquele show por anos e estou pensando nisso por anos, era o meu sonho e estou tão feliz por poder tocá-lo e fazer uma turnê, especialmente antes do lockdown, eu fiquei tão feliz por ter feito uma turnê pelo menos um pouco antes tudo ser interrompido, então estou feliz que você perceba o visual e mal posso esperar para poder apresentá-lo novamente. Você sabe, eu acho que espero que seja ainda mais especial quando voltar.

WiR: Sua colaboração e turnê com Porter Robinson foi algo único e todos adoraram. Como foi essa experiência para você? Vocês têm planos de trabalharem juntos novamente?

Madeon: Então, Porter e eu nos conhecemos quando éramos crianças, você sabe, eu tinha, creio eu, 12 anos. Então, estivemos na vida criativa um do outro desde sempre. E influenciamos uns aos outros de muitas maneiras diferentes. Mas, na verdade, fazer turnês juntos foi tão especial, sabe, demorou muito para acontecer. E queríamos que este momento fosse uma memória especial e querida. E a única maneira de torná-lo realmente especial era torná-lo algo único. Então decidimos que íamos conversar sobre Shelter, e então deixar por isso mesmo e torná-lo em momentos mágicos. Então, ainda estamos muito envolvidos na vida criativa um do outro e enviamos um ao outro a música em que trabalhamos e nos inspiramos, mas não acho que haja qualquer plano de fazer algo como Shelter de novo, neste ponto, eu acho que é melhor mantê-lo como uma lembrança querida. É algo que eu sempre digo.

WiR: Você já pensou em fazer alguma colaboração com o Flume?

Madeon: Eu amo Flume, ele é um dos meus heróis. Na verdade nunca o conheci, então não sei como isso poderia acontecer, mas acho que ele é uma das figuras mais importantes da música eletrônica dos últimos 10 anos, você sabe, ele realmente criou e apresentou ao mundo sons, tropos, técnicas, estruturas e texturas que ninguém mais tinha realmente apresentado ao mundo antes. Então, eu acho que ele é uma figura histórica da dance music e eu o admiro muito. Mas não, não há nenhum plano agora, mas talvez um dia nossos caminhos se cruzem em algum festival e quem sabe o que pode acontecer.

WiR: E o que podemos esperar de você durante os próximos meses?

Madeon: Bem, eu estive em casa e fiz muitas músicas e estou começando a imaginar o que vem por aí, mas quero continuar expandindo um pouco o universo de Good Faith e obviamente, você sabe, neste verão (europeu) eu lancei The Prince, lancei o videoclipe lírico de animação do No Fear No More remix, então eu tentei ter certeza de manter este álbum vivo e que eu continuo passando momentos com meus fãs no universo de Good Faith na internet, mas minha mente está começando a ficar realmente cheia de novas ideias. Portanto, estou tentando não me precipitar em nada ainda e apenas aproveitar o tempo que me é concedido. Portanto, não quero anunciar nada ainda. Mas é bom ser capaz de imaginar um surgimento e você sabe, acho que estou animado para o mundo se curar e estar em um lugar para comemorar juntos novamente, e sempre que for seguro fazer isso, eu quero fazer parte dessa celebração e quero compartilhar momentos de alívio com o mundo. Então esse é o tipo de horizonte que me mantém esperançoso nestes tempos. E espero que isso se torne uma oportunidade significativa para conexão e união. Então, eu quero que minha música e meu trabalho sejam parte dessa tapeçaria cultural quando chegar a hora.

WiR: Para finalizar, deixe um recado para seus fãs brasileiros!

Madeon: Sim, eu amo, amo meus fãs brasileiros, vejo vocês online o tempo todo. E estou tão chateado que não consegui ir como planejado este ano, mas saiba que eu voltarei. É prioridade para nós, realmente nos preocupamos em trazer um show do qual temos orgulho para o Brasil. E será uma de nossas primeiras paradas assim que for saudável e seguro fazê-lo. Então, muito obrigado. E sim, mal posso esperar para voltar. Você sabe, já se passaram anos, então eu sinto muita falta disso.

 

Amanda Nakao

Viciada em criar pautas para DJs e ir a shows de música eletrônica.