Entrevista: Jeffrey Sutorius fala sobre o retorno do projeto pessoal

Jeffrey Sutorius, mundialmente conhecido como Dash Berlin, é um renomado DJ e produtor, com habilidades notáveis para levar seu público a uma jornada energética com todas as sensações. Jeffrey foi o DJ e vocalista do Dash Berlin. E possui plena consciência de que seu sucesso vem de mãos dadas com o amor de seus fãs, que sempre o apoiaram e permaneceram leais ao longo de sua carreira.

Este apoio comovente e duradouro é um dos principais impulsionadores de sua jornada. O DJ tem preferência por dance music de qualidade, energizante e emocional e adora trazer isso para o palco. No dia 29 de março, Jeffrey anunciou em suas redes sociais após embate com o projeto anterior. Desde 2018, o holandês vem brigando por seu trabalho e seus fãs continuam bravamente ao seu lado.

Em entrevista exclusiva ao Wonderland in Rave, Jeffrey Sutorius, falou sobre planos para o retorno do projeto pessoal e nos contou sobre sua relação com a dance music desde cedo e muito mais. Recentemente ele lançou a track “Nostalgia” pela Revealed Recordings marcando o retorno do seu projeto nas plataformas de streaming. Confira tudo a seguir:

WiR: Como você tem passado todo esse tempo, pensando neste novo capítulo em sua carreira?

Jeffrey Sutorius: “Eu estou bem, estou na China agora. Estou aqui há quase meio ano. Após duas semanas de quarentena, mudei de Xangai para Guangzhou, que é uma das partes centrais da China. É conhecida por ser a antiga capital da China. E a partir daí, comecei minha turnê em janeiro. Então, tenho muita sorte nessa circunstância de poder fazer o que eu realmente amo e também apresentar ao povo chinês e aos amantes de música eletrônica, com uma música nova que estou fazendo, e que será lançada em breve, e será lançada na segunda metade deste ano. E tem sido um momento muito estranho, obviamente, porque esta situação agora é única para mim. Não há DJs internacionais na China além de mim. Tenho uma esposa chinesa e um filho de um ano e meio, e eles são muito próximos de mim. Estou em um hotel agora. Mas esse é um dos motivos pelos quais pude vir para a China. E depois disso ocorreu a circunstância do tribunal para que eu também continuasse em turnê realizando o que venho fazendo.

WiR: De agora em diante, iremos ver muito Jeffrey Sutorius, também conhecido como Dash Berlin. No passado, você tocou em muitos festivais importantes da cena. E assistindo suas apresentações, podemos ver sua linguagem corporal de quem realmente ama e sente a música.

Jeffrey Sutorius: “Sim, sinto a música tal como as pessoas na pista de dança. O sentimento é o mesmo, estou realmente feliz por partilhar essa emoção e essa energia juntos que realmente me alimenta também quando estou no palco. Portanto, esta é uma grande situação. O Ultra 2019 foi muito emocionante para mim. E, além disso, foi uma grande honra que nunca tive foi em toda a carreira do Dash Berlin, que foi apresentar um show depois do Swedish House Mafia. E essa é uma das tarefas mais difíceis que provavelmente existe para qualquer DJ no mundo. O Swedish House Mafia é, provavelmente, além de David Guetta, Armin Van Buuren e Martin Garrix um dos maiores DJs do mundo. São uma das maiores apresentações de dance music do mundo. Portanto, esta é uma tarefa muito difícil de assumir como último DJ a encerrar o Ultra Festival. E, sim, foi apenas uma experiência fantástica. Foi estressante começar porque, sim, tiveram ainda de reconstruir todo o palco. O Swedish House Mafia tem o seu próprio desenho de palco específico, e todo o palco para o Ultra foi remodelado para aquele espetáculo. Então, tiveram que remodelar todo o palco sem música. As pessoas não fazem ideia do que estava se passando. Havia todas as luzes acesas. Por isso, as pessoas tiveram de esperar ali, pensando o que ia acontecer. Então, havia toda essa pressão. E aquele momento em que tive de começar do zero onde apagaram as luzes e as pessoas não faziam ideia do que ia acontecer, foi difícil, muito difícil. Mas eu acredito na música que estou tocando, acredito na música que faço. E eu simplesmente vou por ela. E farei com que, durante o meu tempo no palco, eu me divirta. E vamos ver o que acontece. Espero que as pessoas também se divirtam. E foi exatamente isso que aconteceu. No início, pude ver que as pessoas estavam confusas. Demorou cerca de 20 minutos sem música antes de eu poder começar o meu show. Quando você entra no palco e está tudo prestes a acontecer, você escolhe a música e tenta enxergar a reação. E foi uma honra fantástica entrar depois do Swedish House Mafia. Penso que a minha missão foi cumprida.

WiR: Você tem feito algum plano para Jeffrey Sutorius?

Jeffrey Sutorius: “Sim, sim, claro, porque eu tive que começar do zero e com a gravadora. E essa foi a minha gravadora para todas as produções de Jeffrey Sutorius no começo, quando perdi o nome pela primeira vez. Então, eu já estava trabalhando em várias músicas novas do Jeffrey Sutorius antes de ter o nome Dash Berlin de volta. E quando recuperei o nome, quis me concentrar em uma nova música de novo. Por isso, toda música em que estava trabalhando, basicamente parou ou não foi terminada. E agora olhando para trás para o que estava planejando fazer para o Dash Berlin, pois eu já estava terminado um álbum que agora vai ser a do projeto Jeffrey, não finalizei completamente. Devo dizer com certeza que, também estou considerando refazer tudo de novo e elevar ao nível em que quero para Jeffrey Sutorius, que esta seja a música de Jeffrey Sutorius.

WiR: Qual tipo de som podemos esperar de você? Você vai se reinventar e criar algo completamente nunca visto antes? Ou manter a imagem do traço de Dash Berlin?

Jeffrey Sutorius: “Penso que o que viu do Ultra, é o que pelo menos deveria esperar para Jeffrey Sutorius. Algo muito enérgico, muito animador, muito melódico. Algumas vezes, poderia cantar também. Algo emocional e até um pouco mais amplo. Pode ser transitório, pode ser trance, techno, EDM, big room e tropical. Eu também tenho uma nova música que sairá nos próximos dias. E isto sim, é a novíssima música de Jeffrey. Portanto, estou realmente curioso sobre o que as pessoas no Brasil, mas em todo o mundo vão pensar sobre ela. Em alguns dias, todos saberão de Jeffrey Sutorius.

WiR: E você pode nos contar algo muito especial e inesquecível com todos esses anos de sua carreira?

Jeffrey Sutorius: “Sim. Acho que a situação em que estamos no mundo agora é muito delicada. Principalmente no Brasil. Então fiquem seguros, sabe, tomem cuidado, é uma situação de partir o coração de todos no mundo. E minha situação é diferente porque estou aqui na China. A situação aqui está controlada. Sabe a máscara? Se você sair aqui na rua usando, é muito comum aqui. As pessoas acham isso normal. Você pode ir no bar, pode ir nas boates, as boates estão abertas, pode ir a restaurantes, pode sair de casa, nada é restrito. Eles dizem que aqui está sob controle, e eu desejo que para o resto do mundo isso aconteça o mais rápido possível, porque este é o momento mais louco que nós e nossas gerações enfrentaremos pelo resto de nossa vida. E nós sempre diremos: “você consegue se lembrar daquele tempo do COVID?” E na minha posição agora aqui na China, estou em uma situação única onde ainda posso tocar, onde ainda estou em turnê, e o resto dos meus colegas não podem. E isso é péssimo. Porque todo mundo precisa fazer o que gosta, e precisa continuar a carreira. E as pessoas não entendem que isso é uma merda. Por isso acho que é algo muito, muito especial. Não é uma coisa feliz. Mas é uma coisa especial, eu acho. E quando penso em algo completamente diferente também. Algo muito especial que aconteceu comigo ao longo dos anos é que tenho tocado em Las Vegas, assim como conhecer o redor do mundo. Alguns anos atrás, conheci uma pessoa no clube, que era a pessoa mais feliz que já vi na minha vida. O que era tão incrível nisso, é que aquela pessoa não tinha pernas. E ele não tinha braços. E foi a pessoa mais feliz que já vi na minha vida. Sério, então ele não tinha dois braços, ele não tinha mais as pernas. Ele foi carregado para o palco na cabine do DJ com seus amigos. E ele ficou tão feliz por fazer parte da festa e curtir a música e foi ótimo. E era 100% real, era uma pessoa genuinamente feliz. E quando percebi isso, que uma pessoa que não podia mais ter os braços, e as pernas, mas ainda pode festejar fica tão feliz. Comecei a enxergar de outra maneira. Nós podemos fazer tudo o que quisermos para viver nossas vidas. E devemos ficar felizes com isso e dar o máximo de importância. Seja feliz com o que você tem. Não se sinta infeliz com o que você não tem.

Foto: Divulgação / Jeffrey Sutorius

WiR: E o que você mais se orgulha?

Jeffrey Sutorius: “Tenho muito orgulho de poder me olhar no espelho. E saber quem eu sou. Mas também, estou muito orgulhoso da minha filha de um ano e meio e da minha esposa. E estou realmente muito orgulhoso delas. Agora minha esposa está em Gwangju também com sua mãe, seu pai, irmã e irmão. E estamos em um ambiente seguro. Estou feliz e orgulhoso por podermos alcançar isso juntos como uma família. Você sabe, eu tenho viajado por anos. E agora ainda em turnê, ainda viajando aqui na China, mas com minha família aqui e estamos seguros. E estou orgulhoso disso, e de que minha esposa seja definitivamente parte disso, porque sem minha esposa eu não estaria bem.

WiR: Você tem viajado pelo mundo o tempo todo. Com turnês e apresentações ininterruptas e outras coisas que acontecem nos bastidores. Você já lida com isso há tantos anos, e recentemente fez três anos sem Avicii. O que você acha de tudo isso?

Jeffrey Sutorius: “Bom, o que posso dizer sobre isso? As pessoas parecem sempre tímidas, as pessoas vêem sempre coisas bonitas, grandes festas com mil ou milhares de pessoas. Pense que, na maioria dos casos, muitas pessoas ganham muito dinheiro. Por isso, deveriam ter uma casa grande e muitos carros para si. E se há algo que aprendemos, ou devíamos aprender com Avicii, mas não apenas com uma característica, também de Hardwell, como também de Dash Berlin. É que no início, em 2018, o motivo pelo qual tive de parar foi por causa de questões de saúde, é que existe um significado mais profundo para o que os nossos artistas que vemos nos palcos todos os finais de semana, normalmente, ficamos muito cansados depois de estarmos no palco ou, sabe, viajar ou a festejar 24 horas. E ao longo dos anos isso tem sido com mais frequência, porque muitos dos artistas têm viajado por todo o mundo através de diferentes fusos horários, não vendo a sua família, não vendo os seus entes queridos, não estando em casa. Talvez não se alimentando, com saúde, e bom a saúde, na maioria dos casos é a última prioridade desses artistas. Os fãs são muito importantes, os próprios artistas e as circunstâncias pessoais, porque é disso que precisamos falar: das circunstâncias pessoais, que em sua maioria, são completamente insignificantes para o artista. E uma das coisas que Avicii aprendeu é que nós também somos seres humanos, sabe, onde as pessoas são de carne e osso, tal como toda a gente na pista de dança e que escutam suas músicas. Todos os artistas, nós não somos diferentes, somos iguais. Mas estamos em circunstâncias diferentes, onde podemos estar no palco e alimentar todos com uma certa emoção ou energia e criatividade. Mas há um limite para o que se pode fazer fisicamente. E há um limite para o que se pode fazer, mentalmente. E fisicamente, podemos empurrar muitas coisas com a barriga. E, mentalmente, também podemos tentar empurrar e deixar isso de lado. Mas, chega uma hora, que tudo volta e vem com muita intensidade. E depois é como uma avalanche. Então partimos de uma situação em que se somos artistas, e estamos a desenvolver a nossa carreira e ganhar prémios, viajar e afins. Mas depois o belo ambiente torna-se borrado, e de borrado, torna-se cinzento e de cinzento torna-se cinza escuro. E de cinza escuro, torna-se escuro. E quando escurece na sua cabeça, torna-se perigoso, porque você fica constantemente infeliz nas circunstâncias em que se encontra. E deixe-me explicar um pouco de como vejo que cada artista tem as suas próprias necessidades, digamos especiais no que ele ou ela tem, porque também se pode ser uma artista feminina. Podem ser valores familiares, podem ter dinheiro suficiente no banco ou podem ser capazes de pagar a sua gestão ou de gerir uma empresa. Há tantas coisas na vida de um artista que as pessoas não vêem, o que poderia ser um caso de não ter uma saúde mental estável e estável. E porque é uma vida tão acelerada, e apenas os mantém a andar e outro final de semana fazendo x show, depois outro show e outro show em outro país, e depois outro país. Com toda a honestidade, como testemunhei com Tim, ao longo dos anos, das duas vezes que o conheci, penso que ele sempre tentava escapar da sua realidade. É assim que o vejo com os artistas, como uma chamada da linha lateral de que ele tentava escapar. E, a certa altura, talvez sentisse que não podia mais escapar, estava encalhado. E ele já não conseguia sair. E que, por exemplo, também Hardwell, que ainda não está em digressão, mostra que este tem sido um problema muito maior do que o que as pessoas têm visto, porque os artistas nunca falaram, porque eles sempre estão ocupados, viajando, etc. Não houve tempo para falar sobre isso com as pessoas certas, sabe, que podem ajudar. E agora desde 2018, tornou-se um tema muito importante. Porque, como acabei de dizer, os artistas são pessoas normais, de carne e osso, com emoções e desejos pessoais. Por isso, estou num grupo de whatsapp com muitos artistas bem conhecidos, que falam das suas experiências pessoais, da saúde mental e de como lidar com isso. Como acabei de tentar explicar para uma pessoa, é uma combinação de saúde mental e saúde física. Mas não é possível cuidar por causa das turnês, ou porque a pessoa é casada, mas não tem tempo para a sua família. E há tanta coisa. Não temos tempo para ler. E sabe, podiam escrever livros sobre isto, se aprofundar com outros artistas e descobrirem o que realmente se está passando. É um tema muito difícil, que é muito pessoal para muitas pessoas, também para mim. Mas o melhor é, especialmente hoje em dia, continuar a falar uns com os outros, sabe, e especialmente com as pessoas que o podem ajudar ou que o podem ajudar. Ou ajuda profissional, mas também com as pessoas próximas de si. Quando falo assim contigo, isso me ajuda porque posso dizer um pouco sobre o que penso e como me sinto e como o experimentei. É por isso que também é importante perguntar para as pessoas.

WiR: Você sempre esteve envolvido com a música, eu adoraria saber como é que ela chegou até você e como você encontrou o seu amor por ela? E nos conte sua experiência com o Tomorrowland.

Jeffrey Sutorius: “Penso que a forma como experimentei o Tomorrowland foi fantástica, é uma experiência avassaladora. E a partir daí, a sua missão começa e torna-se realmente interessante. É algo gigante. E é aí que começa a sua experiência na música eletrónica. Para mim, tem sido exatamente o contrário. Conheci a música, no início dos anos 90, na Holanda, que ainda era particularmente nova nessa altura. E as circunstâncias eram muito animadoras, havia uma boa economia na Holanda. A equipe nacional de futebol holandes havia acabado de ganhar o Campeonato Europeu. Portanto, havia muita euforia. E foi aí que a pequena semente da música foi plantada nos Países Baixos. E isso cresceu. E no início dos anos 90, eu tinha 13/14 anos de idade. Eu tenho uma irmã mais velha, ela tem três anos e meio a mais do que eu. E ela já ia dançar em clubes, onde havia DJs, tocavam música eletrônica. E ela me trouxe uma fita cassete, um folheto com autógrafos dos DJs que estavam tocando naquela noite. E isso foi tão especial. Eu queria ouvir mais. E para conseguir ouvir mais, eu ia às lojas de CD, que eram muito populares na época. E era realmente como um movimento em crescimento, como se a música eletrónica estivesse em crescimento. E, na época, eu não tinha equipamento nenhum. Mas a minha irmã conhecia os caras locais. Eu entrei em contato com um deles. E aconteceu que ele estava fora, na mesma cidade onde eu estava. Mas como eu disse, tinha 13/14 anos, ia para a escola secundária. E não tinha nenhum equipamento. Mas encontrei este pequeno panfleto e havia um campeonato de mixagem perto da minha cidade, onde eu vivia. E eu queria competir. Por isso liguei para o número e eles disseram: “Bom, ainda temos uma vaga. Quer participar?”. E eu apenas me inscrevi. Mas não tinha qualquer experiência. Portanto, eu tinha os cartões de visita do DJ para quem a minha irmã conhecia. Por isso que telefonei para ele. E eu disse: “O que eu faço?”. Esta foi literalmente a minha pergunta para ele. “O que é preciso para se tornar um DJ?” E ele ficou calado por um tempo e disse: “Que pergunta estranha. Precisa de uma mesa, precisa de duas cdjs, precisa de um mixer, de colunas, precisa de um equalizador, precisa de um amplificador.” E pensava: “mas isso é muita coisa”. E eu perguntei: “você tem isso?”. Ele disse: “sim, na minha casa, eu tenho tudo”. E eu apenas perguntei: “ok, se eu for a sua casa, eu posso tentar praticar?” e ele disse: “tudo bem”, quase imediatamente, eu fiquei tipo, isso é demais! Sabe, eu nem sequer conhecia o cara. E ele disse tudo bem, então eu abri o livro de endereços para saber em que rua ele estava. Saltei de bicicleta, fui a casa dele, toquei à campainha, ele abriu a porta, subimos para o sótão. E foi como se eu estivesse no céu, estava cheio de vinil. No chão, como em grandes caixas, uma grande caixa estava cheia de final, uma cabine de DJ muito grande no seu sótão. Eu ainda fui lá duas, talvez três vezes. Houve tempo para eu me juntar àquele campeonato. Comprei alguns discos para mostrar que podia completar o curso. Por isso, tinha uma pequena pilha de discos que ia para aquele campeonato de mixagem naquele clube. E consegui chegar às semifinais, sem qualquer experiência. E a minha mãe juntou-se a mim sentada no bar, olhando como eu era, fingindo ser DJ, porque isso era para mim completamente novo. E ela adorou porque me viu como se eu fosse um músico. E o meu pai costumava ser baterista numa banda de jazz. E desde muito jovem, aprendi também a tocar bateria, mas foi com o tempo que fiquei mais interessado na música eletrônica. Por isso, foi isso que comecei a tocar em vinil. E depois fui para o campeonato de mixagem. A minha mãe me apoiou muito.E foi assim que comecei na música eletrônica na Holanda, em meados dos anos 90. Havia um movimento techno muito grande e eu adoro esse tipo de música e comecei a colecionar discos. E, com o tempo, comecei a trabalhar numa loja de discos. E, numa loja de discos, comecei a aprender mais sobre como fazer música. Por isso comecei a trabalhar com um amigo meu que trabalhava numa loja de discos. Nós fazíamos música juntos. Foi assim que aprendi a fazer música. E também na loja de discos, vieram muitos DJs famosos. E alguns dos DJs, que eram meus clientes habituais, tornaram-se amigos pessoais. E dessa amizade, eu passei a fazer parte de um grupo de amizade. Depois de um tempo, acabei formando o Dash Berlin com uns amigos. E essa foi a minha história.

WiR: Como foi o feedback dos seus amigos após a sua declaração? E será que o tem tornado mais inspirado para continuar a sua carreira?

Jeffrey Sutorius: “Hum, estou muito convencido de quem sou, do que faço e do que represento. E a mesma coisa vale para meus fãs. Então, na verdade, eu me senti como a primeira vez que tive que deixar o nome: em paz. Agora, novamente, todo mundo veio e disse: “nós apoiamos você, você foi importante para nós. Você nos mostrou aquela música, nós vivenciamos as festas com você, estamos te apoiando. Mesmo se você tiver outro nome, não nos importamos”. Então, para mim, é uma situação muito emocional de se atirar e me endividar novamente. Quem me defende sempre esteve aqui para mim. Então, não importa se sou Dash Berlin ou Jeffrey Sutorius, não importa. O sentimento é real, não é falso. Algumas pessoas que reagiram a essas postagens, eu conheço a pessoa, porque na verdade estou nas redes sociais e converso com elas. Algumas pessoas fora da indústria, com quem trabalhei ao longo dos anos, também estão me apoiando. E, sim, isso é uma grande bênção. Se as pessoas te valorizam por quem você é, o que você faz, o que você representa, essa é uma grande bênção na vida. E eu só posso ser muito, muito afortunado por esse apoio, que está em andamento. Então é incrível. E também para todas as pessoas no Brasil, temos alcançado. Recebi bastante apoio contínuo, em minha defesa. Sou muito grato.”

WiR: E estou muito feliz em ver o que vem por aí. Nós da equipe Wonderland In Rave, estamos muito honrados e mal podemos esperar para vê-lo divulgando sua música novamente. E o que você gostaria de dizer ao Brasil?

Jeffrey Sutorius: “Bem, obviamente, espero, a princípio, que todos estejam saudáveis. Aquela situação maluca do Covid-19 também, principalmente o que está passando o Brasil, espero que todo mundo fique seguro. Além disso, como estrangeiro, também vejo muito a situação política, espero que tudo se acalme. As pessoas vão ficar felizes e vamos poder passar o carnaval como deveria. Porém, com muita cautela. Sempre há esperança por um dia melhor, e isso vai chegar, vai acontecer. E para todas as pessoas que têm me apoiado sob qualquer nome em qualquer tipo de mídia ou mídia social, quero dizer, MUITO obrigado.”

Meu nome é Renan Galati, tenho 23 anos e moro no interior de São Paulo na cidade de Ribeirão Preto, atualmente curso Jornalismo e sou um grande amante de musica eletrônica.