Japão apoia a volta de shows e eventos com artistas nacionais

Com pouco mais de 126 milhões de pessoas vivendo na terra do sol nascente, o país obteve cerca de 450 mil casos de Covid, que são relativamente baixos em comparação a outros países. Enquanto eventos de grande porte como EDC Japan e Ultra Japan não ocorrem, o comitê organizador do festival Smash Corporation anunciou recentemente que realizará seu Fuji Rock Festival anual, no entanto, nenhum artista estrangeiro será reservado para a programação.

Destacando os talentosos artistas, organizadores e funcionários na indústria da música e que vivem no Japão, o governo japonês introduziu um esquema de compensação em apoio ao reembolso dos organizadores pelo custo de eventos que foram cancelados ou adiados devido ao estado de emergência emitido durante o início do ano. Porém, o esquema conhecido como J-LODlive inicialmente excluía apresentações de artistas estrangeiros até que os principais promotores internacionais baseados no país uniram forças para fazer um novo consórcio com o objetivo de incluir shows nacionais de artistas estrangeiros. Recentemente aprovado pelo governo japonês em março, dez promotores reconhecidos, como Live Nation Japan, Creativeman, Billboard live, ALC, Smash Cooperation e outros, convenceram o governo a alterar seu esquema de compensação em apoio à artistas estrangeiros que vêm ao Japão para festivais e shows.

Com isso, inicialmente os eventos no país será apenas com artistas locais e, por enquanto, artistas internacionais que quiserem se apresentar no país continuarão a passar por quarentena obrigatória até comprovar que não contraiu o vírus.

Os promotores estão trabalhando em conjunto para garantir que shows internacionais possam começar em breve e estão trabalhando para aliviar as restrições de visto de negócios para artistas estrangeiros entrarem no Japão sem a quarentena imposta pelo governo. Com as boas notícias de que o Japão suspendeu o estado de emergência estadual, espera que alguns eventos possam acontecer no verão, inclusive as Olimpíadas. Sob o esquema de revisão de compensação, o governo irá subsidiar despesas como a “taxa de desempenho, taxa de produção, taxa de local, taxa de operação, taxa de uso correto, taxa de medidas de prevenção de infecção”, e outros. Com a cena da música eletrônica atualmente ainda operando com talentosos artistas nacionais em clubes e eventos, também não podemos esperar para receber artistas estrangeiros de volta ao Japão e este é definitivamente um passo na direção correta.