De Bristol para o mundo: entrevistamos Eli Brown

Para quem é mais chegado no House, com certeza já deve ter ouvido e escutado alguma música do Eli Brown em algum set, principalmente de Tech House. O DJ e produtor nascido e criado em Bristol, é um dos artistas que mais cresce hoje em dia, devido a qualidade de suas produções. Não é à toa que até mesmo Calvin Harris com seu projeto Love Regenerator quis trabalhar com ele.

Colecionando passagens por todo canto do mundo, inclusive no Brasil, Eli Brown, provou que existe uma fórmula infalível em casar grooves percussivos suaves com linhas de baixo mais difíceis, um estilo que foi mostrado melhor no “XTC”, sua colaboração com Solardo, que foi um puro hit e estourou nas plataformas digitais. 

Este ano, mesmo durante o período de pandemia, Eli Brown já coleciona mais de 5 lançamentos, e aproveitando o single mais recente “Immortal“, batemos um papo com esse produtor incrível. Confira a seguir:

Olá Eli, é um prazer finalmente falar com você pela primeira vez. Como está a vida neste ano “esquisito”? O que mais mudou nessa adaptação de ficar em casa? Afinal, mesmo viajando muito, você sempre teve ótimos lançamentos e agora posso imaginar que você já tenha várias tracks incríveis a caminho!

Sim, tem sido estranho com certeza, e definitivamente me levou algum tempo para mudar e me adaptar. No começo, achei toda a situação muito deprimente, mas estou superando isso agora e definitivamente encontrei alguns aspectos positivos que surgiram no período de bloqueio. Eu realmente gostei de escrever muitas músicas novas e experimentar sons diferentes e colaborar com algumas pessoas. Espero que vocês comecem a ouvir algumas dessas coisas sendo lançadas ainda este ano!

E o que você está ouvindo durante esse período em que não está viajando? Você pode nos dizer 5 faixas que você mais ouve?

Na verdade, eu não ouço muita música quando não estou escrevendo, pois prefiro desligar e ouvir podcasts ou fazer outras coisas. No entanto, essas faixas foram uma trilha sonora para mim nas últimas semanas:

Chemical Brothers – Swoon
FC Khuna – Mindset To Cycle
George Fitzgerald – Roll Back
Yeah But No – Run Run Run (Adam Port remix)
Disclosure – My High

Você recentemente lançou sua faixa Immortal nas plataformas digitais. Eu estava escutando recentemente e as letras são bastante intensas e sexy. Você pode nos contar um pouco mais sobre essa música?

Sim, Immortal já saiu e é algo de que realmente me orgulho. Eu queria criar algo que fundisse o transe dos anos 90 com o meu som mais forte, algo grande e um hino com um vocal poderoso e único para fechar meus sets de DJ e imortal, foi o resultado!

Além disso, este ano, você teve sua colaboração com Calvin Haris em seu projeto Love Regenerator. Todas as faixas são incríveis e queremos saber, como foi essa experiência de trabalhar com um dos maiores produtores da indústria da música? Como você e Calvin se conheceram?

Calvin começou a tocar minhas músicas no ano passado e nos conhecemos em Ibiza. Através disso, nós começamos a conversar sobre fazer uma música juntos, pois nossas influências são muito semelhantes. Então, eu o enviei algumas idéias em janeiro, com as quais conversamos mais de um mês, o resultado foi o EP que foi lançado. Foi uma experiência muito divertida e algo que sonhei quando eu era adolescente, mas nunca imaginei que poderia acontecer!

Eu gostaria de compartilhar contigo, pois quando eu aprendi a mixar como DJ, comecei a tocar com suas músicas. Você sempre foi uma ótima referência para mim. Inclusive, o Hysteria EP foi muito especial quando eu estava aprendendo tudo isso. Então, eu gostaria de te agradecer por isso! Além disso, falando sobre esse EP incrível, você pode falar mais sobre ele?

Uau, que bom ouvir isso, muito obrigado! Sim, o EP foi bem no início da minha carreira, mas foi muito bom, foi o meu primeiro EP no Repopulate Mars, que é o selo de Lee Foss. Quando eu escrevi essas músicas, fui muito influenciado pela cena musical rave dos anos 90 no Reino Unido e muitas coisas desse EP vieram daquela época.

Podemos dizer que você tem uma conexão especial com o Brasil. Afinal, sua colaboração com Lee Foss e Anabel Englund está aí para confirmar isso. Quais são as suas melhores lembranças sobre o nosso país?

Sim, eu amo o Brasil, é um lugar que eu sempre quis visitar muito antes de ser um DJ viajante, sempre quis conhecer o seu país incrível, é uma bênção. Eu tenho muitas ótimas lembranças para ser sincero, mas eu particularmente gostei de tocar em um festival logo após o Natal deste ano, o cenário era incrível na praia, o clima estava bonito e vindo da Inglaterra, o clima nesta época do ano é geralmente muito úmido e deprimente, então foi uma ótima maneira de terminar 2019.

Você poderia nos dizer seus próximos passos para este ano? O que podemos esperar de você?

Eu tenho muitas novidades antes do final do ano, um novo lançamento na minha gravadora Arcane Music e uma colaboração com o Green Velvet. Além disso, uma das minhas faixas durante meu período de bloqueio criativo, que estou realmente empolgado, que se chamará “Killer“, então fique de olho, pois elas serão lançandas em breve.

Muito obrigada pela conversa, Eli! Foi um prazer! Se possível, deixe uma mensagem para seus fãs brasileiros. Esperamos vê-lo muito em breve.

Obrigado, Brasil! Eu sinto muito amor por vocês e mal posso esperar para festejar com vocês em breve!

Acompanhe Eli Brown em suas redes sociais: Instagram, Facebook, Twitter e SoundCloud.

Amanda Nakao

Viciada em criar pautas para DJs e ir a shows de música eletrônica.